terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

Agressões a professores devem ser crime público

João Dias da Silva, secretário-geral da Federação Nacional dos Sindicatos da Educação (FNE), defende que as agressões aos professores passem a ser consideradas crime público, pelo que entende dever ser o Ministério Público a assumir a apresentação da queixa e a defesa do professor.
Muitas vezes, por receio de represálias, os professores sentem-se coibidos de fazer queixa. É necessário que o professor sinta confiança e segurança quando entra na escola e que sinta que está protegido por legislação que lhe permite exercer a sua autoridade, realçou ainda João Dias da Silva. Na perspectiva do secretário-geral da FNE, esta alteração legislativa é necessária para que se verifique um reforço da autoridade dos professores.
No ano lectivo de 2004-05, foram agredidos 79 professores nas escolas, 11 dos quais tiveram de receber assistência hospitalar. Outros 139 funcionários e 1014 alunos também foram agredidos.