domingo, 6 de maio de 2007

Moçambique

Estou em Moçambique com um grupo de colegas e voluntários de uma ONG portuguesa para estudarmos um programa de apoio à formação de professores na província de Nampula. É um salto para um mundo muito diferente, embora a portugalidade por aqui continue viva, na língua, na arquitectura, até no futebol - os três grandes portugueses são da família.
Maputo respira desenvolvimento, mas as assimetrias sociais continuam chocantes e a tarefa de conduzir este país para níveis considerados aceitáveis para os nossos padrões vai demorar gerações.
A educação é aqui um desafio tão estratégico quanto em Portugal, apesar das diferenças abissais entre os dois paises e respectivos sistemas de ensino. O analfabetismo é um problema grave e conseguir níveis de escolarização satisfatórios o desafio de todos os dias. Para que seja possível avançar são precisos professores com formação básica e formadores com qualificações adequadas. É isso que justifica a nossa presença. O empenho é enorme e estamos a trabalhar para dar o nosso melhor contributo.