segunda-feira, 25 de junho de 2007

Burocracia inveterada

A burocracia é indispensável ao funcionamento de qualquer sociedade, embora também se saiba que é, ou pode ser, uma forma de contrôlo e de poder.
Nas sociedades actuais mais desenvolvidas há uma tendência generalizada para a simplificação dos actos administrativos por razões de eficiência e de racionalização de custos - a burocracia é muito cara.
Em Portugal, o Simplex tem vindo a conseguir melhorias assinaláveis nalguns campos, mas a verdadeira batalha antiburocrática não depende só do Estado Central, depende de todos.
Uns, porque por exercerem algum poder, têm possibilidades de simplificar actos que dependem de si próprios ou dos órgãos que dirigem, todos os outros porque podem sempre fazer propostas para simplificar e melhorar os serviços em que trabalham ou com os quais contactam.
Como perceber então que, por exemplo, num qualquer serviço se continuem a fazer actas à mão, quando a informática está já tão generalizada e a legislação o prevê? Querem uma resposta anedótica? Enquanto o livro de actas não tiver chegado ao fim é preciso continuar a utilizá-lo. Ficamos sem perceber se a questão é de poupança ou se não passa daquilo que é evidente, uma prática sem qualquer sentido.