quinta-feira, 7 de junho de 2007

Comparações internacionais

Há dias almocei com um grupo de professores envolvidos num projecto Comenius. Falei muito com o director, nomeado, de uma escola básica belga, com cerca de 350 alunos. Homem experiente, com muitos anos de tarimba e já na fase final da carreira, dirige a escola sem secretariado, sem pessoal administrativo, sem pessoal auxiliar. É ele, os alunos e os professores. Imaginam em Portugal?

Claro que a burocracia há-de ser mais simples do que por cá. Uma empresa limpa a escola. Um segurança assegura a tranquilidade na hora de abertura e fecho da escola, já que a jornada é contínua e os professores tomam conta dos alunos nas aulas e fora delas.

As escolas competem umas com as outras para terem mais alunos e melhores orçamentos. Por exemplo esta tornou-se muito pretendida por ter a particularidade de assegurar a leccionação em duas línguas francês e neerlandês.

O sistema não é muito diferente do que se vê por esse mundo fora em países mais desenvolvidos do que o nosso, nomeadamente no norte da Europa, mas está a anos luz do que se faz por aqui em matéria de organização, administração e gestão das escolas.

Moral da história? Somos paises diferentes.