domingo, 24 de junho de 2007

O erro como acto de coragem

Numa das "Entrevistas Imprevistas" publicada no semanário "Sol", ontem, sábado, José Eduardo Agualusa, referindo-se a Mário Soares escreve:
"Soares é um dos últimos portugueses com coragem. Comete erros, mas tem a coragem de errar. E isso, no Portugal de hoje, é muito raro".
Não foi tanto o que diz de Mário Soares que me interessou, mas a ideia do erro como acto de coragem. De facto, só não erra quem não arrisca tomar decisões, quem apenas circula pelos caminhos de todos conhecidos, quem não inova, quem não se atreve a explorar o desconhecido, quem se limita a ler pela cartilha do conformismo.