domingo, 9 de setembro de 2007

Abandono escolar

A boa notícia é que o abandono escolar desceu no ano lectivo passado. A má notícia é que muitas escolas não se empenham como deviam em o fazer baixar. Há escolas onde o abandono tem taxa zero ou próxima disso. Outras onde a matéria é desvalorizada. Claro que não basta a iniciativa das escolas, há factores sociais e outros que podem agir positiva ou negativamente na sua diminuição ou no seu aumento. Mas se a escola não considerar que é sua missão definir como meta "abandonos zero" e não puser em prática mecanismos de apoio a esta política, não vamos lá.

A ideia é não permitir que os alunos deixem a escola e ir buscá-los onde estiverem, trazendo-os de volta para a escola. O objectivo é, primeiro e essencialmente pedagógico e de cidadania, mas também de defesa dos postos de trabalho dos professores.

O impacto que resultaria de se conseguirem manter no sistema todos os que não chegam a entrar, ou abandonam o secundário, no aumento da necessidade de docentes seria enorme e parece que poucos se preocupam com isso, sindicatos incluídos.

Reduzir a taxa de anabdono é um imperativo nacional que deve mobilizar toda a comunidade. A mortalidade escolar é mais grave para o futuro do país do que a que ocorre nas estradas, mas como não se vêem os mortos nem os feridos, impressiona muito menos.