terça-feira, 13 de novembro de 2007

O país dos pigmeus

Hoje foram atribuídos os prémios "professor". "Porreiiiiro pá", terá dito o Primeiro Ministro, "desta vez têm direito à cenoura que o pau é o mais frequente".
"O país dos pigmeus" vai ser um espaço onde "à la minute" farei uns retratos estilo "Portugal no seu melhor" mesmo sem pagar royalties ao Miguel Esteves Cardoso que inventou (?) esta rubrica no Independente.
A comissão que atribui os prémios "Professor" é presidida por Daniel Sampaio, pessoa por quem tenho o maior respeito e consideração, mas que se tem prestado a avalista do Ministério sempre que este pretende dar ar de respeitabilidade a matérias polémicas.
Foi o caso da Comissão para a Educação Sexual, é agora com este mais do que discutível prémio, que sem desprimor para quem o recebe é assim uma espécie de consolação nos jogos florais da paróquia.
Pois o que disse o Prof. Sampaio na entrega dos ditos prémios? O que toda a gente sabe, excepto quem se quer iludir, que nas escolas grassa a desmotivação, a incerteza, a desmoralização, o descontentamento e tudo o mais que é natural num país onde o respectivo ministério vê rosas onde abundam os espinhos.
Disse e ficou-lhe bem. Aposto que as vendas dos seus livros vão subir nos próximos dias. O problema é que quem diz o que disse, não devia fazer fretes ao ME, tanto mais que ninguém, leia-a-se o Primeiro Ministro, a Ministra e a respectiva entourage, lhe ligou nenhuma.
No fundo estes prémios são como as esmolas, apaziguam as consciências mas não acabam com a miséria.