segunda-feira, 19 de novembro de 2007

É a organização estúpido...

Na Gulbenkian discute-ne pela enésima vez o insucesso escolar. A inicativa é meritória, como (quase) tudo o que a Fundação realiza, mas sobre o insucesso estamos conversados, vamos antes passar a discutir o sucesso, porque se há uns que o alcançam é preciso aprender com esses.
No telejornal Manuel Villaverde Cabral diz o que há muito se sabe, o investimento português em educação não é inferior ao dos outros países europeus, os resultados é que são piores.
Como disse Clinton para Bush (pai) "It's the economy, stupid", também aqui apetece dizer uma coisa semelhante, sem querer ofender ninguém.
O problema da falta de sucesso das escolas portuguesas não resulta de situações sociais e económicas mais débeis, de alunos menos dotados, de professores menos qualificados, de edifícios e condições logísticas piores, mas sim da falta de condições organizacionais que se expressam na inexistência de uma estratégia clara e de uma liderança afirmativa, na sua esmagadora maioria.
A diferença, que chega a ser abissal entre escolas, reside no grau da sua eficácia organizacional e o resto é a cortina de fumo que ajuda a mascarar a realidade e a permitir que muitos durmam descansados.