segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

As escolas marcam a diferença

Há muito que se sabe que as escolas não são iguais e que os resultados dos alunos dependem de múltiplos factores, entre eles das escolas que frequentam. A questão das "escolas eficazes" não está resolvida, mas a investigação tem avançado e vai no sentido de comprovar que a organização, a gestão e a liderança desempenham um papel fulcral nos resultados das aprendizagens.
Num país como Portugal, onde impera a "normalização" escolar e onde ainda existe a ideia generalizada de que o sucesso escolar dos alunos depende da sua origem social e dos professores que lhe cabem em sorte, é urgente alertar as consciências para a necessidade de voltarmos decididamente as atenções para os aspectos organizativos das escolas.
Como Good e Weinstein(*) propõem, é imperativo perguntar "Em que medida os processos escolares podem compensar um ensino deficitário ao nível da sala de aula? E até que ponto um ensino de qualidade na sala de aula depende do apoio da escola? Como é que as actividades a desenvolver na sala de aula e na escola são planificadas, coordenadas e geridas?"

*Good, T. e Weinstein, R: (1992) . As escolas marcam a diferença: Evidências críticas e novas perspectivas. In A. Nóvoa (Coord.) As organizações escolares em análise. Lisboa: D. Quixote/IIE, pp.77-98.