sábado, 24 de maio de 2008

Aterrados

Finalmente um jurista, num douto parecer, veio dizer aquilo que é do mais elementar bom senso, um aterro sanitário não pode andar em bolandas, de concelho para concelho, como um circo ou uma barraca de comes e bebes, pelo que o aterro de Leiria e arredores deve ficar onde está.
O populismo às vezes gera esta urticária. Claro que ninguém quer aterros à porta, mas fechá-los só mesmo quando as suas condições de utilização tenham atingido os limites de exploração.
Quando é que os nossos decisores passam a agir mais com a cabeça no bolso dos contribuintes do que no voto dos eleitores?


In Região de Leiria, 23-05-2008