domingo, 29 de junho de 2008

Escolas ou reformatórios?

Um destes dias estive numa escola a fazer uma conferência a que dei o nome "Ser professor, uma profissão de risco e com riscos". Uma das coisa que mais me impressionou foi a atitude manifestada por alguns colegas acerca dos alunos "difíceis" eufemismo para classificar os corrécios que não estudam, prejudicam o ambiente e a aprendizagem dos outros e dão cabo da cabeça aos professores.
Claro que estes alunos não podem ser segregados pois a saída da Escola sem qualquer qualificação equivale a um passaporte para as franjas da sociedade e para trabalho desqualificado. Existem hoje alternativas formativas para estes alunos, com currículos adaptados às suas necessidades, mas continuam a faltar professores treinados para responder a estas situações.
E o problema reside aqui, não se pode lidar com estes alunos como se lida com os outros, a diferença existe e não vale a pena fingir que não é assim. Os holandeses, por exemplo, resolveram o problema com escolas especializadas em alunos "difíceis", é uma forma de resolver a questão. Em Portugal a doutrina oficial é a integração. Seja como for, o que importa é que o sistema funcione e não é isso que parece estar a acontecer entre nós.