domingo, 1 de junho de 2008

Eurite aguda

Nada melhor para regenerar as ambições nacionais do que uma futebolada a sério. Os craques já estão na Suiça e a loucura já começou. Quero lá saber da crise, das angústias existenciais dos professores portugueses, do aumento dos combustíveis, dos dois milhões de pobres, ou serão só um milhão e oitocentos mil (?), dos direitos humanos no Tibete ou no Darfur, da fome que regressou em força à Etiópia e a muitos outros sítios, eu quero lá saber de desgraças, que se lixem os pobres e oprimidos, se não saem da miséria é porque também não merecem mais.
Eu quero é saber dos nossos heróis da bola, que descansem, que comam bem, não os incomodem, os homens merecem tudo, aliás deviam até ganhar mais, com a carestia que para aí vai a federação devia-lhes até aumentar os prémios, o Scolari que se inspire, convoque-se a virgem do Caravagio, de que o homem é devoto, mas a Nossa Senhora de Fátima que não seja esquecida, tudo a bem da Nação, nada contra a Nação, nós somos bons carago e vamos ganhar a essa canalha que se nos atravesse.
Façam promessas, façam figas, façam vudu, façam candomblé, façam tudo o que souberem, sacrifiquem uns galos pretos, esfreguem-se com alho, munam-se de uma pata de coelho, de uma ferradura, vocês hão-se saber, mas, por favor, façam com que a selecção ganhe o campeonato. Devemos isso ao Vasco da Gama, se o homem chegou à Índia estes gajos não são capazes de chegar á Europa? Era só o que faltava.