sexta-feira, 18 de julho de 2008

Esconjurar os fantasmas

Quase quarenta anos depois da morte, António de Oliveira Salazar, o homem que presidiu aos destinos do país durante 48 anos, continua a assombrar os espíritos de alguns portugueses. A ideia de lhe dedicar um museu na terra natal desencadeia paixões, intolerâncias e antifascismos serôdios.
O país que glorifica o Marquês de Pombal, um dos maiores déspotas que governaram o país, e que mantém a fé na mesma Igreja que criou e geriu a Inquisição, cuja ignomínia não tem perdão, é o mesmo que se atiça contra Salazar. É tempo de esconjurar mais este fantasma. A História não se nega, nem se apaga, estuda-se.