sábado, 2 de agosto de 2008

O regresso a casa dos três pára-quedistas

Os funerais de três pára-quedistas mortos na Guiné durante a guerra colonial, e só agora trasladados para Portugal, é um daqueles acontecimentos que envergonha um país.
Os israelitas trouxeram para casa, em circunstâncias bem penosas, dois cadáveres de soldados raptados e mortos pelo Hezbolah, há dois anos, “porque os judeus não deixam para trás os seus mortos”.
Em Portugal não foi assim. O Estado que os enviou desapareceu e o Estado Democrático pouco se incomodou com os mortos que ficaram por sepultar na terra mãe. Quantos ainda haverá nas mesmas condições? Não será obrigação imprescritível do Estado trazê-los para casa?