segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Uma pila de fora

Contou-me um colega, com muitos anos de serviço e basta experiência, que o ano passado um aluno de um curso dos chamados difíceis, obviamente dos profissionais, tirou a pila para fora durante uma aula numa demonstração de virilidade e de desafio à ordem e boas maneiras que devem ser regra nas aulas.
"E a coisa acabou por não dar em nada", confessou, quase conformado o colega.
É certo que os costumes mudaram, e hoje quase tudo anda à mostra, agora a pila, por favor, guardem-na para quem devem.
Passando a ironia, não sei o que mais me espanta, se a imbecilidade do aluno se a falta de resposta da escola.
Mais, até quando vão as escolas, que por acaso são organizações e não ajuntamentos de professores individualmente considerados, tolerar coisas deste calibre e deixarem que aulas e espaços de recreio se transformem em territórios onde meia dúzia de marginais impôem a lei da insubordinação e o desprestígio permanente de quem é pago para ensinar e não para se substituir à polícia ou ao Instituto de Reinserção Social?
Já é tempo de terminar com a demagogia da integração a qualquer preço. Quem frequenta as escolas tem de se subordinar a regras; quem não as cumpre tem de ser tratado em conformidade, se necessário, como delinquente e estes são um caso para a polícia e para os tribunais, não para os professores e para as escolas.