sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

O impasse na educação

As férias do Natal são pouco dadas a grandes reflexões já que anda tudo ocupado na orgia das prendas e no consumo generoso de iguarias e bebidas. Mas a vida não pára e os problemas na educação também não.
A greve anunciada para dia 19 é o sinal de partida para o ano eleitoral. Ninguém está interessado nela (é uma opinião). Os professores começam a estar cansados porque nada de verdadeiramete importante, para além de terem demonstrado a sua força, resultou do braço de ferro dos últimos meses e é sabido que a força ou se usa para produzir efeitos palpáveis ou é como se não existisse.
Pelo lado do Governo já deve haver a consciência de que o arrastar da crise se transformou numa espécie de récita trágico-cómica em que o ME dá todos os dias o dito pelo não dito, aos bocadinhos, mas sem ir ao essencial da questão.
Ambos os contendores têm interesse em desatar alguns nós antes do dia 19, os sindicatos porque nada lhes garante que a elevadíssima taxa de adesão à greve se mantenha nos níveis anteriores, o que a acontecer, será sempre uma derrota; O ME porque corre o risco de se descredibilizar politicamente ainda mais num momento em que qualquer passo em falso pode ter consequências ainda mais dramáticas para a sua credibilidade.
O que resulta de tudo isto é a confirmação de que o impulso reformador dos governos não dispensa a adesão dos profissionais dos sectores em que se querem introduzir reformas. Pode-se não contar com todos, não se pode é ter quase todos contra.
Parece que há uma dúzia de professores que apoiam as políticas do ME. É pouco, tão pouco que se o ME tivesse juízo fingia que não sabia de nada. Há apoios que só incomodam e põem a ridículo os apoiados.
Pode ser que a humildade do Governo floresça neste tempo de Paz e Amor e o Novo Ano comece com um louvor à equipa do ME pelos elevados serviços prestados à Pátria e a sua substituição por uma task force refrescada e capaz de ganhar a confiança dos professores, sem a qual nenhum governo vai longe nas reformas que quiser empreender.