segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Uma pila de fora

Contou-me um colega, com muitos anos de serviço e basta experiência, que o ano passado um aluno de um curso dos chamados difíceis, obviamente dos profissionais, tirou a pila para fora durante uma aula numa demonstração de virilidade e de desafio à ordem e boas maneiras que devem ser regra nas aulas.
"E a coisa acabou por não dar em nada", confessou, quase conformado o colega.
É certo que os costumes mudaram, e hoje quase tudo anda à mostra, agora a pila, por favor, guardem-na para quem devem.
Passando a ironia, não sei o que mais me espanta, se a imbecilidade do aluno se a falta de resposta da escola.
Mais, até quando vão as escolas, que por acaso são organizações e não ajuntamentos de professores individualmente considerados, tolerar coisas deste calibre e deixarem que aulas e espaços de recreio se transformem em territórios onde meia dúzia de marginais impôem a lei da insubordinação e o desprestígio permanente de quem é pago para ensinar e não para se substituir à polícia ou ao Instituto de Reinserção Social?
Já é tempo de terminar com a demagogia da integração a qualquer preço. Quem frequenta as escolas tem de se subordinar a regras; quem não as cumpre tem de ser tratado em conformidade, se necessário, como delinquente e estes são um caso para a polícia e para os tribunais, não para os professores e para as escolas.

Centro de Línguas e Cultura Chinesas

Prafrente pergunta se o Centro está aberto ao público? Está.
Nesta fase preliminar basta contactar a ESE. Futuramente terá mesmo um horário de funcionamento autónomo.

Um Presidente para Leiria II

A proposta que fiz no meu "Telegrama", título da nota semanal que publico no Região de Leiria, sobre a candidatura do actual presidente do Instituto Politécnico de Leiria à presidência da Câmara Municipal de Leiria deu origem, como esperava, aos mais diversos comentários.
A escolha de um candidato a uma câmara não é, ou não deve ser, considerada como um assunto interno de um partido político.
A importância do que está em jogo não se compadece com uma escolha entre meia dúzia de pessoas, muitas vezes funcionando em circuito fechado. Aliás, a possibilidade de ser realizado um processo aberto de escolha interna, com amplos reflexos no exterior, tipo"eleições primárias", já tem sido discutido e, em minha opinião, devia ser experimentado.
O único argumento que ouvi contra a proposta fundamenta-se no alegado desconhecimento, por parte da população, sobre quem é Luciano de Almeida. Ora, salvo o devido respeito, e dando de barato que Luciano de Almeida não é tão conhecido como outros hipotéticos candidatos, esta é a mais frágil razão contra a sua eventual candidatura.
Assumisse-a o PS e num mês Luciano de Almeida seria mais conhecido no concelho do que qualquer dos outros candidatos.
Uma personalidade que preside há dez anos à mais importante instituição de Ensino Superior do Distrito, sob cuja liderança se tornou uma das principais do país, cuja qualidade é reconhecida por todas as instâncias nacionais e internacionais de avaliação, que tem sido pioneira em áreas de captação de novos públicos, com licenciaturas únicas a nível nacional, com uma acção investigativa que começa a ser relevante, com relações e mobilidade internacionais que envolvem anualmente muitas centenas de jovens, docentes e dirigentes, que tem cerca de onze mil alunos e mais de um milhar de colaboradores docentes e não docentes, é obra.
Também tem sido Presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, estrutura de coordenação nacional de todos os institutos.
A sua acção foi reconhecida como altamente meritória, muito recente e publicamente, pelo Ministro Mariano Gago.
Por via das funções que desempenha e das posições que tem assumido em nome do CCISP, tem tido acesso regular à comunicação nacional.
Uma personalidade destas facilmente se torna familiar ao universo de eleitores do concelho com uma estratégia de comunicação adequada.
Acresce que Luciano de Almeida poderia protagonizar uma candidatura transversal aos vários partidos, introduzindo factores de inovação e credibilização na proposta política autárquica do PS.
Mas esta é apenas a minha proposta e o meu contributo para a discussão, sem que nada me mova contra outros candidatos. Apenas gostaria que Leiria e os leirienses viessem a ter um presidente competente, capaz de pensar estrategicamente o concelho e trabalhar com todos para alcançar os objectivos de desenvolvimento que se impõem.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Um presidente para Leiria


O PSD já tem candidato, é José António Silva, e pense-se sobre ele o que se pensar é bom não o menosprezar. Por mim, desejo-lhe felicidades.
Quanto ao PS, proponho Luciano de Almeida. Deixa uma obra notável no IPL, conhece bem o concelho, é um gestor experimentado, um negociador exímio e uma personalidade de dimensão nacional.
Sem transigir com politiquices bacocas, com liberdade para constituir uma equipa e apoio empenhado dos órgãos locais e da direcção nacional, pode ser o melhor candidato e, seguramente, um excelente presidente.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Centro de Línguas e Cultura Chinesas

Leiria dispõe, desde o dia 15, de um Centro de Línguas e Cultura Chinesas, instalado num edifício de traça oriental, mandado construir pelo Instituto Politécnico de Leiria no espaço adjacente à Escola Superior de Educação.
É a concretização de uma vontade comum, partilhada com o Instituto Politécnico de Macau, que vem reforçar os laços académicos e culturais entre as duas instituições e, sobretudo, um melhor conhecimento dos dois países.
Leiria passa a constar do roteiro mundial de cidades onde a cultura milenar chinesa é objecto de estudo e o Centro abre-se como mais uma janela com vista para o Oriente.

domingo, 12 de outubro de 2008

O crash americano e o dinheiro dos contribuintes


Duas coisas ficaram muito claras nesta crise que está a assolar os Estados Unidos da América e a contagiar o resto do mundo.
Primeiro, o despudor e a completa ausência de respeito pelos direitos de terceiros de muitos gestores de topo que não só agiram em proveito próprio como desbarataram os fundos que era suposto rentabilizarem.
Segundo, a consciência muito aguda dos americanos de que o dinheiro gerido pelo Governo é dos contribuintes e não pode ser mal gasto. Por cá, é o contrário, tem-se a sensação de que o dinheiro é do Governo e que este faz com ele o que lhe apetece. O mesmo se passa com as autarquias, infelizmente.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Noite tranquila


Ao vinho tinto são atribuídos benefícios para a saúde desde tempos imemoriais e, mais recentemente, há quem o recomende na prevenção dos acidentes cardiovasculares.
Como quase tudo o que se come ou bebe, o vinho tinto deve ter uma mão cheia de efeitos positivos e outra de negativos, competindo a cada apreciador fazer as suas escolhas.
Num jantar recente, uma jovem adolescente chinesa confessou, para surpresa geral, que na China todas as noites bebia um pouco antes de ir para a cama “para dormir melhor”. A sabedoria chinesa não se discute.