segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

3 anos

Dia 22 de Dezembro de 2006, colocámos o primeiro post. Passaram três anos e muitas coisas aconteceram desde então. Com muitos ou poucos posts, consoante a disponibilidade e a inspiração de cada momento, tenho procurado cumprir o que me propuz, participar no debate global que as novas ferramentas permitem.
Este espaço tem sido, e continuará a ser, um ponto de vista livre numa conversa em que participa quem quer. E apenas isto.

Professores, os suspeitos do costume

Há um hábito, relativamente recente na educação portuguesa, a fazer escola - culpar os professores por tudo quanto de menos positivo acontece nas escolas.
Os alunos são desmotivados, a culpa é dos professores; têm maus resultados, a culpa é dos professores; comportam-se de forma incorrecta, a culpa é dos professores. E por aí fora...
Os professores têm as costas largas e todos aproveitam, até os "especialistas", que falam de cátedra, alguns dos quais sem nunca terem posto os pés numa sala de aula do básico ou do secundário.
Agora, alguns, descobriram que são os professores os culpados por não conseguirem "negociar" com os alunos a forma destes se comportarem nas aulas. Falta de formação, dizem.
Mas esperem lá, é aos alunos que compete acatar e cumprir as regras ou aos professores, quais negociadores policiais, convencerem-nos a não os insultar ou agredir?
Evidentemente que a conflitualidade está latente nas relações interpessoais, que não deixa de ser verdade que se pode aprender sempre mais a lidar com isso e a limitar, em vez de acirrar, episódios de mau comportamento, mas é fundamental que não se "tome a nuvem por Juno".
A mensagem indispensável que deve ser passada pela família, pela sociedade e pela escola, aos alunos, é a de que há regras para cumprir e penalidades para quem as infringir. Assumido este princípio, tudo o mais pode ser equacionado, mas colocar o ónus do mau comportamento dos alunos sobre os ombros dos professores é ignorância, demagogia ou má fé.

Renascer com o Natal

Comemorar o Natal tem múltiplos significados, tantos quantos cada um lhe quer dar. Da tradição religiosa à loucura consumista, há para todos os gostos, embora o sentido de festa de família permaneça como marca indelével.
Indiscutível é o facto de a celebração estar associada ao nascimento, ao mistério da vida, que a ciência descodifica, mas não explica.
A essência do Natal, que procede de muito antes do nascimento de Cristo, é isso mesmo, um hino à vida, uma expressão de louvor pelo nascimento de um novo ser, um momento de celebração colectiva pela renovação das gerações, sem a qual as comunidades estiolam e definham. Em cada Natal, é o futuro que renasce.

Participar é decidir

Desde há cerca de vinte anos que uma inovadora figura de gestão municipal se vem impondo como símbolo de uma nova relação entre eleitores e eleitos, refiro-me aos chamados orçamentos participativos.
No essencial, trata-se de chamar os munícipes à participação na elaboração dos orçamentos municipais, dando-lhe a possibilidade de sugerirem as formas de afectação de algumas verbas que mais estejam de acordo com os seus desejos.
Embora limitada a uma parte do orçamento, esta prática não deixa de constituir um acto de cidadania responsável e de abertura a formas de gestão mais participadas e que a internet potencia. Em Portugal cerca de 20 autarquias já aderiram à ideia, Lisboa incluída. Leiria bem pode seguir-lhes o exemplo.

Planeta em perigo

Pela primeira vez na história da Humanidade, como consequência da industrialização, está ameaçado o equilíbrio do próprio planeta Terra e as alterações climáticas afectam, crescentemente, o equilíbrio ecológico, com consequências imprevisíveis.
O que está em causa é o modelo de desenvolvimento pós-industrial e as suas nefastas sequelas, e a necessidade, imperiosa, de agir no sentido de encontrar novos formas de organização das sociedades, utilizando energias limpas e adoptando formas de produção não poluentes.
Portugal é, nesta matéria, um bom exemplo, e chega à cimeira de Copenhaga na linha da frente, graças à prioridade concedida à utilização das energias renováveis e ao compromisso com a utilização de uma nova geração de automóveis menos poluentes.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Grito de alerta

Ontem estive em Torres Novas a participar num debate organizado pela Associação CIVILIS e pela Escola Secundária Maria Lamas, a primeira escola onde leccionei. O tema era Escola/Estratégia e modelos educativos, e participaram também o ex-Ministro da Educação, David Justino e a ex-deputada do PCP, Luísa Mesquita.
Foi interessante, e durante o debate, um colega que estava na assistência, fez uma intervenção muito tocante sobre questões que se colocam quotidianamente nas escolas, nomeadamente as decorrentes de algum mau comportamento de certos alunos, tendo sintetizado muito bem a situação, ao afirmar: “Há indisciplina na escola porque não há condições para impor regras”.
Naturalmente, que nem todos estarão de acordo em colocar a questão assim, pois a indisciplina nas escolas é um fenómeno com raízes múltiplas e profundas, mas esta é uma forma acutilante e, a meu ver, legítima de olhar para o problema.
É um facto que se instalou uma surpreendente tolerância relativamente a situações de indisciplina e de incumprimento por parte de alunos, como se tudo fosse aceitável e não houvesse regras a cumprir, algumas delas universais, como seja o respeito pelo próximo.
Os professores acabam por ser o elo mais fraco e são eles que têm de lidar todos os dias com alunos que não os respeitam e, muitas vezes, os insultam, sem que sofram quaisquer consequências de vulto.
Na sequência da minha intervenção final, o colega, cujo nome não divulgo por razões óbvias, escreveu-me um e-mail que reproduzo, parcialmente, por me parecer útil partilhá-lo.

Caro Dr. José Manuel Silva,

… o que disse no final do debate da primeira conferência desta tarde corresponde ao que eu diria se tivesse tido necessidade de dizer. Apreciei a sua frontalidade e agradeço-lhe a solidariedade.

Os políticos «correctos» não suportam o discurso da manifestação da realidade das escolas. E, o que é mais grave, como tenho testemunhado e voltei a fazê-lo hoje, é que a grande maioria dos professores tem medo de contar o que vive e de dizer o que sente. Porque, se o faz, os políticos «correctos» reagem corporativamente e acusam-nos das coisas mais abjectas. Muitas vezes, incapazes de esconder o incómodo com as questões levantadas, nem sequer são delicados.

Entretanto, a Escola pública continua a degradar-se. Cada vez mais rapaziada, que não conhece regras nem quer fazer coisa nenhuma, vai tomando conta da Escola: domina o território, estabelece as suas próprias «normas», assume de facto o poder. Os alunos interessados não têm condições para aprender. Os professores mais novos, lamentando não ter mão nas turmas, saem das aulas a chorar. Os mais velhos, pelo seu lado, fazem contas aos euros e ao tempo que ainda lhes falta para a reforma antecipada e libertadora.

Um feriado sem significado

Escrevo no dia 1.º de Dezembro e apercebo-me de que o seu significado é largamente desconhecido pelos mais jovens. Para além da ignorância que fica patente, é inevitável pensar que parar um país quando muitos dos seus habitantes desconhecem a razão, dá que pensar.
É claro que a restauração da independência, pode aparecer hoje como um facto anacrónico a muitos que se habituaram a um relacionamento próximo com Espanha, a uma integração crescente das duas economias e a um sentido de pertença à Ibéria, impensável em tempos anteriores.
Mas os feriados não podem ser simples dias de descanso, devem ser momentos de reflexão sobre acontecimentos transcendentes que contribuem para a coesão dos povos.

Uma aventura no Ministério da Educação

Depois de uma ministra socióloga, que sonhou construir uma escola à medida dos seus desígnios, temos uma ministra escritora que bem pode dar à estampa mais uma aventura, desta vez no Ministério da Educação.
O enredo já está delineado e a avaliação dos professores vai ser o centro da acção. O suspense está no ar. Suspende? Não suspende. Mas mesmo sem suspender, suspende. Confuso? Não, é apenas a poeira atirada aos olhos dos que teimam em mantê-los abertos.
A saga da carreira e da avaliação ainda está para durar, e até parece que estes são os temas centrais da política educativa. Entretanto, os professores vão ardendo em lume brando.

Famílias e Casamentos

O tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo é o primeiro grande embate, na actual legislatura, entre duas concepções diferentes de organização da vida social.
De um lado, a esmagadora maioria dos deputados do PS, o Bloco, o PCP e os Verdes. Do outro, quase todos os deputados do PSD e o CDS. Subjacente está a questão, ainda mais fracturante, da adopção de crianças por parte de casais unisexo.
Independentemente dos argumentos, o que está em causa é o facto de a família, tal como o casamento, se terem pluralizado, deixado de ter formato único. Hoje há famílias, há casamentos, pelo que o singular não expressa a realidade social. As sociedades estão em profunda mudança; é a marcha da História, e nada a deterá.

A face oculta da justiça

No Império Romano apaziguava-se a tensão social com “pão e circo”. Agora, os processos judiciais envolvendo gente dos negócios e da política, transformados em reality shows, fazem papel idêntico.
A cereja no topo do bolo é haver a possibilidade de envolver o Primeiro-ministro, pelo que nunca falta um primo, um amigo ou um correligionário político indiciado e chamado a depor.
A descredibilização das instituições vai corroendo a vida social e o sistema político e a corrupção, que parece imperar na sociedade, aninha-se também na polícia e nos tribunais, onde não há processo em segredo de justiça que não se torne alimento das fogueiras das vaidades mediáticas.

Novo capítulo

Como nada acontece por acaso, o PS ganhou as eleições em Leiria em resultado de uma conjugação virtuosa de factores nunca antes ocorrida. A dissidência no CDS não compensou e a autoflagelação do PSD ditou a sua derrota. Raul Castro tornou-se um homem providencial.
O futuro será o que for, mas o novo poder tem o dever de conseguir fazer mais e melhor do que no passado se fez, envolver os cidadãos nas grandes decisões, disciplinar contas e procedimentos, refazer a esperança e afirmar a liderança de Leiria como pólo de desenvolvimento regional.
Quebrado o tabu, nada será como dantes.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Amor à causa

Hoje estive a fazer um exame escrito e oral a uma formanda de uma pós-graduação. A certa altura falámos dos PIEFs e percebi a verdadeira devoção da rapariga à causa dos alunos em fim de linha escolar. É bom encontrar profissionais que acreditam na causa, que apesar de todas as mudanças na carreira, no estatuto, nas condições de trabalho, são capazes de perceber que estão a contribuir para a construção de uma catedral, embora estejam apenas a aparelhar um elemento.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Líderes e lideranças

"Líderes e lideranças em escolas portuguesas. Percursos individuais e impactos organizacionais", tese de doutoramento, está agora disponível em versão integral e anexos em http://www.iconline.ipleiria.pt/handle/10400.8/163

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

De novo, a avaliação

Só a gripe A disputa espaço noticioso à questão recorrente da avaliação dos professores. Aí estão, de novo, todas as baterias sindicais assestadas para a nova equipa do ME. Paulo Portas descobre a sua vocação para delegado sindical dos profs. e, substituindo-se aos especialistas, tira da cartola um novo modelo. Bom...sempre é um contributo.
O novo Secretário de Estado, Alexandre Ventura, era o presidente do Conselho Científico para a Avaliação dos Professores. Que pensar, que tens as mãos manchadas pelo processo como resultado das funções que desempenhava ou que é a pessoa que está em melhores condições para ajudar a pacificar o sector?
Sinceramente, tudo isto me parece estranho. A gestão da educação, no contexto actual, pós Maria de Lurdes Rodrigues, nada tem de técnica, é uma tarefa eminentemente política. Pois quem assume funções? Uma ministra e dois secretários de Estado que de políticos nada têm, que se saiba publicamente.
Entretanto as escolas estão em suspenso e os professores em desespero. Pobre educação...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Avaliação Externa das Escolas

Hoje participei num seminário, organizado pela IGE, com inspectores e professores de instituições de ensino superior que integram as equipas de avaliação externa.
Muito interessante. Discussão viva, debate enriquecedor. O caminho percorrido é muito importante, mas ainda há muito para andar. É preciso aprofundar a reflexão sobre a metodologia e práticas da avaliação externa, instrumentos e referenciais, limites e consequências.
Aqui está um campo onde todos os profissionais da área têm interesse directo e a investigação um papel insubstituível.

domingo, 25 de outubro de 2009

Isabel Alçada

Tenho a melhor impressão pessoal sobre Isabel Alçada. Conheci-a, de perto, quando fizemos o mestrado em Boston. Aliás, este curso já deu, que me lembre, dois Secretários de Estado, Domingos Fernandes e Valter Lemos, para além de vários outros dirigentes do Ministério da Educação.
A nova ministra chega ao círculo mais restrito do poder com um prestígio inatacável, não tanto por ser professora, mas pela suas deambulações pelas aventuras da escrita. Ao contrário da antecessora, socióloga pura e dura, Isabel Alçada era, até agora a responsável pelo Plano Nacional de Leitura e é mais como escritora que o país a conhece.
Muitos jovens portugueses cresceram embalados nos sonhos aventurosos que Isabel Alçada e Ana Maria Magalhães lhes foram propondo em inúmeras publicações, onde o despertar o gosto pela leitura se associava à descoberta de temas importantes para o seu crescimento como cidadãos.
Como qualquer novo governante, a nova ministra tem direito ao benefício da dúvida, mas devem assinalar-se dois aspectos que podem dificultar o seu mandato. Por um lado não se lhe conhece experiência de gestão, por outro não tem experiência nem peso político.
Se o primeiro aspecto não parece grave, para isso lá estarão directores gerais e assessores, já a questão política pode ser mais sensível. A gestão de um ministério como o da Educação, para mais na fase pós Lurdes Rodrigues, é tudo menos técnica. O cerne dos problemas é desatar os nós que os antecessores arranjaram, tarefa que exige um enorme jogo de cintura da ministra, o apoio sem reservas do Primeiro Ministro e do Governo, e uma ilimitada capacidade negocial para, na Assembleia da República, ganhar espaço de manobra para fazer vingar propostas, nas mesas de negociação com os sindicatos obter consensos e na "rua" conquistar as pessoas para as suas causas.
Como Helena André, a sindicalista, que vai para o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, também Isabel Alçada, a professora, não garante só por si a bondade das políticas que vai protagonizar, como bem observou Carvalho da Silva, a propósito da primeira.
A acção da ministra vai ser fortemente condicionada pela forma como conseguir romper o cerco dos sindicatos, falando directamente para os professores. Que ninguém tenha dúvidas, a política educativa concretiza-se através das escolas e dos professores e, sem estes, como já se viu, o destino é o desastre.
Ora, se os sindicatos são imprescindíveis e os parceiros negociais de eleição, os professores, como classe, estão muito para além dos sindicatos e o peso destes será tanto maior quanto o ME se afirmar por estar contra os professores e não por os estimar como colaboradores indispensáveis.
Consideração expressa em medidas concretas é o que os docentes esperam da ministra. Se passar no teste, o resto vem por acréscimo.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Finalmente...

Demorou três décadas, mas acabou por acontecer. O Partido Socialista ganhou as eleições autárquicas no concelho de Leiria. Agora até parece que foi fácil, mas tratou-se de um processo lento, progressivo e que culminou num momento em que se reuniram um conjunto de circunstâncias favoráveis a uma viragem histórica.
Em termos de real politik o que importava era ganhar. Agora, dia a dia, passo a passo, é necessário trabalhar para não defraudar as expectativas. Empenho e humildade, capacidade de estabelecer pontes e criar sinergias entre a Câmara, as juntas e a população, uma nova forma de abordar a organização dos serviços camarários, é o que se espera e se exige.
Independentemente de outras considerações, era desejável esta mudança, o poder, longamente exercido, corrói e corrompe a dinâmica da acção política e, salvo raríssimas excepções, gera mais descontentamento do que adesões. Foi o que aconteceu à maioria PSD.
No futuro, há uma questão iniludível que tem a ver com a governabilidade da Câmara, uma vez que o PS não tem maioria absoluta.
Este quadro é agravado pelo facto de os vereadores do PSD não disporem da confiança política dos órgãos locais do partido. Sinceramente não vejo como podem, num quadro de derrota, os vereadores do PSD ter uma intervenção autónoma na Câmara, durante 4 anos, sem o apoio da respectiva Comissão Política.
É facto que o PS pode prescindir do seu contributo, matematicamente falando, mas do ponto de vista político é mau para todos que quase metade da vereação esteja ab initio partidariamente deslegitimada.
Mas tudo isto é menos importante do que celebrar a vitória histórica do PS e a esperança que se abre para a maioria dos eleitores que lhe deram o voto.
Parecendo um assunto interno, não é, porque está em causa a governabili

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Assegurar a governabilidade do país

O PS ganhou, sem surpresa, as eleições, embora tenha perdido a maioria absoluta, como também se esperava. Agora trata-se de assegurar governabilidade do país. As hipóteses são várias - governar em minoria, fazendo acordos circunstanciais no Parlamento, consoante as matérias em jogo. Coligar-se com quem lhe assegure uma maioria estável.
Teoricamente, tratando-se de um partido que se posiciona à esquerda no espectro político, poderia fazê-lo com o BE e a CDU. Só que entre as três forças politicas há divergências irreconciliáveis e muito dificilmente seria possível assegurar qualquer base sólida de cooperação.
A aliança com o PSD daria lugar ao Boco Central, que muitos vêem como a suprema contradição do nosso sistema político. O "Centrão" sugere uma amálgama de interesses difusos e suspeitos e susceptível de criar uma opacidade nefasta na vida democrática.
Resta o CDS, que necessita de um palco credível para continuar a afirmar-se e deseja capitalizar o voto da direita e do centro-direita que habitualmente pende para o PSD.
Governar sozinho parece ser a solução natural, mas torna o mandato uma caixinha de surpresas e obriga a uma actividade permanente e desgastante de negociação. A viabilização de uma coligação pode permitir uma solução governativa estável e credível na base de um acordo realista de acção política para os próximos quatro anos, incluindo, como bónus, o apoio a um candidato presidencial do PS moderado e bem preparado como, por exemplo, António Guterres.
Entretanto há a batalha das autárquicas e é como se fosse necessário recolocar o contador a zeros para recomeçar o combate eleitoral. Até ao dia 11 de setembro a gobernabilidade futura do país vai ter de esperar, até porque destes resultados depende a consolidação de uma qualquer solução de gorverno.

domingo, 27 de setembro de 2009

A festa da democracia

Apesar dos anos que levamos de democracia, é sempre uma festa renovada ir a votos. Na escola onde votei a agitação era enorme e a avaliar pelo semblante dos eleitores e eleitoras, nem sinais da crise.
Festa. é o que se sente, porque se despede um governo, porque se sonha com outro, porque se acredita que o país vai, finalmente, mudar para onde queremos, é tudo isso e muito mais, uma esperança sempre renovada, um sonho, quase sempre adiado.
Amanhã se verá como vamos resolver os problemas, hoje é para celebrar.
Façamos , então, um brinde à democracia, por pior que ela seja, que eu ainda me lembro muito bem de como era o meu país antes da Revolução de Abril de 1974.

Vamos a votos

Daqui a poucas horas se saberá que novos desafios se nos colocam. Até lá votem com convicção e esperemos que os portugueses, nós todos, saibamos encontrar a solução que o país precisa. Felizmente que em democracia há sempre uma alternativa, e como nós somos parte interessada, a altura é de participação, empenho e avaliação construtiva.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Campanha

Hoje fui dar uma mãozinha à campanha do PS (legislativas). Nem bandeiras, nem bombos, só uns quantos militantes e candidatos. O cabeça de lista, Luís Amado, faltou.
Cumpriu-se o calendário mas... o que vale uma acção de campanha destas? Uma dúzia de pessoas a distribuir propaganda, sem animação e quase na clandestinidade. As campanhas já não são o que eram. Tenho saudades dos tempos em que campanha era sinónimo de festa, animação, um gozo danado.
Hoje tudo se concentra nos líderes e nas televisões e o resto é quase para cumprir rotinas.

A propósito, os Gato Fedorento tornaram-se, a par dos cabeças de lista dos vários partidos, nos grandes animadores desta campanha. É uma lufada de ar fresco na cinzentice politiqueira. Espero que para além de gargalhadas consigam também mobilizar eleitores. A democracia faz-se de participação embora, lamentavelmente, em Portugal o alheamento abstencionista ganhe um terreno cada vez maior.

A fechar, o Presidente da República anda a ouvir vozes do além. Suspeita-se das secretas a mando do Governo. Um jornal publica a caxa, um assessor é demitido, Cavaco é apanhado em falso. Avizinham-se tempos difíceis. A paranoia política está ao rubro.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Ensino Profissional

Hoje estive no Fundão num encontro inserido nas comemorações dos vinte anos do Ensino Profissional. Esteve também o Prof. Joaqum de Azevedo, um dos responsáveis pelo seu lançamento, quando era Ministro Roberto Carneiro.
A mobilização das comunidades locais e a autonomia das escolas são duas ideias base deste modelo que conseguiu afirmar-se apesar de nem sempre apoiado como se justificava.
Ao completar duas décadas de existência, atingiu a maioridade, é uma formação credível e tão relevante que foi estendida às secundárias estatais.
O grande desafio para estas é serem capazes de fazer tão bem ou melhor que as suas precursoras.
Uma palavra de solidariedade para o João Santos Costa, uma das referências da escola Profissional do Fundão, actualmente a lutar com uma doença grave.

domingo, 6 de setembro de 2009

Um país insano

Felizmente que o cabo nos traz as têvês de todo o mundo. É a forma de percebermos melhor a nossa dimensão e a singularidade dos debates nacionais.
O grande drama em Portugal não são os desempregados, é a Manuela Moura Guedes. O que ela fazia era bom jornalismo? Então deixem-se de hipocrisias! O Marinho Pinto é que lhe pôs os pontos nos iis. O Sócrates fez o que qualquer outro faria, protestou. E fez bem.
A Prisa e o Cebrian sabem o que andam a fazer.
Siga a campanha eleitoral que a Moura Guedes já teve a sua glória.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Finalmente o mea culpa de Sócrates

ItálicoEra previsível, Sócrates veio, finalmente, dizer o que já devia ter assumido há muito, que a gestão da relação com os professores foi errada e que tudo fará para restabelecer um clima de confiança se...for reeleito.
Talvez seja um pouco tarde, mas mais vale tarde do que nunca.
O problema é que nestas matérias não há muito espaço para erros grosseiros como o que se cometeu ao longo deste súltimos quatro anos e não deixa de ser surpreendente o manto de silêncio pesado que dentro do PS este assunto delicado suscitou.
Foram muito poucos os que assumiram a divergência com a gestão que o Governo fez do relacionamento com a classe docente e o esforço dos responsáveis foi sempre o de tentar desacreditar as razões dos professores. Infelizmente as sementes da obediência cega, resquício de experiências de repressão antigas, ainda continuam por aí a germinar.
Está, pois, levantado o lábéu oficial sobre os professores e enterrado o machado de guerra. Ficam por fazer as contas por perdas e danos para a classe, para o sistema educativo e para o País, que esta atitude insensata provocou.
Sendo certo que este pedido oficial de desculpas à classe, por parte do Primeiro Ministro, pode ser interpretado como "uma manobra eleitoral", não é menos verdade que ele é também uma reparação moral justíssima e, nesta medida, merece ser tomado em devida consideração.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Chamem a polícia

A praça Rodrigues Lobo, em Leiria, tornou-se um must desde que lá se instalou o Chico Lobo, o bar mais cool das noites da cidade. Depois vieram outros, alguns cafés antigos reconverteram-se e, a pouco e pouco, o antigo centro cívico foi ganhando vida e animação e mostrando uma nova faceta de Leiria, cidade bem tradicionalista e conservadora até há bem poucos anos.
Quem não conhece, é urgente que lá dê uma saltada, e tomar um copo no Chico é obrigatório.
Mas onde é que entra a polícia nesta história? Bem, podia entrar de várias formas, mas hoje vamos ao estacionamento.
A zona é servida por estacionamento à superfície e por dois parques subterrâneos. Mesmo junto à praça existe um parque para cargas e descargas, interdito a estacionamento privado. Claro está que à boa moda do Portugal incorrigível muita gente prefere ignorar a proibição e dar uma gorgeta aos arrumadores de serviço do que cumprir a obrigação cívica de respeitar a lei.
Todos os dias o local está repleto de carros, para meu grande espanto e de todas as pessoas que cumprem o código da estrada. Eis senão hoje que chega a polícia e multa todos os automóveis que lá estavam. Apanhados na rede, cada um dos infractores teve a surpresa de uma multazita para pagar depois do copo da praxe.
Isto aconteceu por volta das dez da noite. Como habitualmente, "depois de casa arrombada, trancas na porta", quem foi multado zarpou rapidamente, talvez para tentar cantar a canção do bandido aos polícias e poupar a multa. Mas uma hora depois, já o dito parque estava repleto e um arrumador ordenava o tráfego.
Como diaria o Scolári, de boa memória. "O burro sou eu?" O parque é interdito? É! Então não se pode estacionar, certo? Errado. Pode! Mas então a polícia não multa? Às vezes, quando se lembra.
Esta história parece comprida para coisa de somenos. Não é verdade. O que aqui se relata ilustra um comportamento típico de desrespeito pela lei e a forma aleatória como a polícia actua. É suposto que a polícia todos os dias vigia as ruas, mas apenas de vez em quando multa os infractores, embora saiba que todos os dias lá existem. Qando está de serviço uma equipa mais zelosa? Um agente que tem objectivos para cumprir? Um polícia mal disposto? Eu sei lá, pode haver milhentas explicações.
Se calhar sou eu que estou a ver mal a questão, mas então deixem estacionar e pronto. Já agora até podem assumir que se trata de serviço social. Em vez de pagarem multas, que vão para o Estado, que depois tem de sustentar os arrumadores, pagam directamente a estes e ainda sai mais barato.
É por estas e por outras que Portugal é um país castiço. "Não às multas, sim aos arrumadores".

O Verão da avaliação de professores

O Presidente promulgou o diploma do Governo. O que havia de fazer? A versão simplificada da avaliação é a tábua de salvação da equipa do ME. É o que resta depois de tudo o que já foi deitado para o caixote do lixo de um processo que nasceu torto.
Infelizmente a política educativa deste Governo, que até tem aspectos muito positivos, vai ficar para a história como um mar de antagonismos com os professores. Daqui a uns anos ninguém se vai lembrar de mais nada, à excepção do conflito com a classe que, apesar da politização sindical e do aproveitamento partidário da oposição, não deixou de ser um genuino protesto da esmagadora maioria dos professores, que se sentiram ofendidos e humilhados com medidas, algumas necessárias, aplicadas de forma tecnicamente incorrecta e politicamente inábil.
Tal como os amores de Verão, a versão simplificada da avaliação, agora promulgada, não resistirá à chegada do Outono.

domingo, 16 de agosto de 2009

O Portugal incorrigível

Em Portugal, há comportamentos atávicos que, nem a evolução dos tempos nem a formação escolar e profissional, são capazes de erradicar. É sabida a importãncia do turismo na economia do país e, nas suas múltiplas ofertas, os serviços de restauração desempenham um papel fundamental na dinamização do sector.
Seria, pois, de esperar que, com tanta sensibilização e múltiplas ofertas de formação, os serviços prestados fossem, generalizadamente, de qualidade aceitável e os profissionais do sector verdadeiramente dignos deste qualificativo. Mas não é assim. Dois exemplos ocorridos recentemente no Algarve.

Num restaurante que pratica preços bastante elevados e que passa por ser uma das melhores escolhas para quem quer degustar um bom peixe grelhado, um comentário de um cliente motivado pelo atraso no serviço, mereceu do empregado encarregado da mesa o seguinte e instrutivo desabafo:
- "Pois, é muita gente".
Moral da história. O empregado não lhe ocorre que é o restaurante que se tem de adaptar aos clientes e ao seu fluxo, inclusive a não aceitar mais clientes se a sua capacidade não chega para tanto, já que devia estar obrigado a manter padrões de atendimento compatíveis com os preços que pratica. O mais óbvio que lhe ocorreu foi responsabilizar os clientes "Que vêm todos ao mesmo tempo".

Noutro restaurante, este popular, aconteceu um autêntico descalabro, com os clientes a esperarem horas (em sentido real) para serem (mal)servidos, os funcionários sem qualquer formação específica para o serviço de mesas e sem qualquer conhecimento do peixe que serviam, um nem sequer sabia distinguir um carapau de uma dourada e foi à mesa pedir aos clientes que o ajudassem a destrinçar e o que se supunha ser o gerente, e tentava dar alguma ordem àquela completa bagunça, acabou por confessar que estava ali a fazer um biscate e que trabalhava na secção de peças de uma empresa do ramo automóvel.
Não fora a descontracção própria das férias o homem não teria acabado a noite a conversar alegremente com os clientes sobre as virtudes e defeitos das máquinas topo de gama comercializadas pela empresa para a qual trabalhava e sim a explicar à autoridade competente a sua presença como (i)rresponsável de um restaurante sem rei nem roque.

Em ambos os casos, o nacional-porreirismo, a falta de profissionalismo, o desrrespeito pelos clientes (que pagam como se fossem bem servidos) são o reflexo de uma cultura empresarial de vão de escada que não dignifica nem a região, nem o país, e que exibe a marca deprimente de um sector vital mas carente de quadros e de qualidade.

Protesto contra a neocensura!

Talvez ainda não se tenha apercebido que existe em Portugal um Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social, cuja função é regular matérias desta área.
A partir de agora não o poderá ignorar, pois o dito conselho entende que quem participa em listas candidatas a eleições não pode escrever nos jornais nem participar em programas de rádio ou televisão, com textos de opinião ou como comentador.
Para que conste, aqui fica o meu veemente protesto contra uma forma de neocensura que, sob a capa do igualitarismo das candidaturas, amordaça e silencia vozes livres.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Bolas sem creme

Nos meus tempos de menino, ir dos confins do Alentejo até à beira-mar, fazer praia, era sempre uma aventura e um tempo de experiências mágicas.
Para além dos prazeres marinhos, as batatas fritas, redondas e estaladiças, e as bolas de Berlim, bem recheadas de creme, faziam as delícias da criançada no intervalo das banhocas.
Hoje, comer batatas fritas é quase um crime de lesa coração e já ninguém as vende nas praias, quanto às bolas, só mesmo sem creme, ASAE dixit. As gerações do soft e do light não sabem o que perdem. A praia lá continua, mas não é a mesma coisa.

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

E o terceiro mundo aqui tão perto

O hospital de Santo André é uma boa unidade de saúde. Alguns dos seus serviços são referências de excelência. Por razões familiares já conhecia as urgências obstétrica e pediátrica. Ambas de grande qualidade.
Numa destas noites vi-me obrigado a uma visita inesperada à urgência geral. Nem queria acreditar. Aquele não é o Santo André a que me habituei. A degradação das instalações é evidente e as condições de atendimento péssimas.
Sobrevive-se, é um facto, mas o ambiente lembra os hospitais do terceiro mundo. Algo está errado e a culpa não é, certamente, dos doentes.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Consumir o futuro

Agora que as bolsas estão a recuperar, a gripe A se dissemina, e a corrida eleitoral acelera, as preocupações com a crise estão a passar para segundo plano.
E é pena. Para além dos factores resultantes da globalização, há problemas estruturais que nem estão, nem serão resolvidos, se tudo continuar na mesma.
Um país que compra mais do que vende, paga mais do que recebe, gasta mais do que tem, é inviável. Portugal tem uma economia terciarizada, mas sem estrutura que a suporte. Se continuarmos como até aqui estaremos a consumir o futuro.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Dicas para uma campanha eleitoral (3)

A equipa

A escolha de uma equipa para concorrer a quaisquer eleições é da maior importância porquanto não é só o primeiro nome que é importante. A equipa pode acrescentar, mas também pode diminuir.
Infelizmente é comum que as equipas sejam escolhidas com base em critérios que pouco ou nada têm que ver com a competência das pessoas. Ou se vai pelo compadrio político, ou pela necessidade (actual) de preencher quotas, ou porque uns fazem menos sombra do que outros.
O critério da competência e da adequação do perfil de cada um ao lugar que lhe pode vir a caber, que devia ser norma, é excepção e, por isso mesmo, a classe política tem sofrido a erosão que se sabe, a ponto de se ser mal-visto só por se manter actividade política, seja ela qual for.
A aposta na competência é um valor seguro.

A auto-avaliação dos professores

Levo trinta e cinco anos de carreira docente, dos quais vinte e quatro como formador de professores. Nunca encontrei ninguém que ao fazer a sua autoavaliação não se considere sempre num patamar de execução de nível de bom e muito bom, preferencialmente, neste último.
As autoavaliações são daquelas peças rituais que servem para enfeitar mas das quais pouco ou nada mais se aproveita.
Quem é que sabendo que tudo o que diga em seu desfavor será utilizado contra si, vai dizer algo? E é aqui que a hipocrisia institucional atinge todo o seu esplendor. Neste momento há milhares de professores a preencherem a ficha de autoavaliação e a dizerem que fazem tudo bem. O que haveriam de dizer?
Para que servem estas autoavaliações? Para pouco. Mas é assim que o sistema está montado.
Naturalmente que os processos de autoavaliação têm a maior importância e são indispensáveis em processos de avaliação do desempenho, mas exigem um referencial claro que exige, no mínimo, que o que se diz seja objectivamente comprovado, caso contrário, cada um espraia-se de acordo com a sua iniciativa.
Por outro lado, a autoavaliação é um processo estruturalmente formativo e, por isso mesmo, exige uma disponibilidade total dos avaliados e dos avaliadores para o encararem sem o ónus de daí advir qualquer prejuízo adicional para quem assume as suas insuficiências ou limitações. Sem isso, é uma farsa.

domingo, 19 de julho de 2009

CR9

Não tenho dúvidas de que identificou, de imediato, a personalidade a que se refere o título. Quem não conhece Cristiano Ronaldo e quem não sabe que passou a ser o titular da camisola número 9 do Real Madrid?
CR9 é o português contemporâneo mais conhecido em todo o planeta e um dos poucos cidadãos do mundo a conseguir juntar num estádio 80 mil pessoas, só para o ver.
CR9 já é muito mais do que um jogador de futebol, é um símbolo do poder da comunicação e um exemplo de como o talento e a sorte podem transformar um menino pobre num semi-deus. O berço é importante, não determinante.

domingo, 12 de julho de 2009

Dicas para uma campanha eleitoral (2)

O programa

Sintético e ambicioso, são talvez as duas qualidades mais importantes de um programa eleitoral. Não quer dizer que não se elabore um documento mais extenso e detalhado com as metas que se pretendem alcançar, mas uma folha A4 deve bastar para comunicar o essencial.
Numa época em que todos estão habituados à comunicação mediática e a serem motivados pelos primeiros segundos de uma notícia ou de um videoclip, ninguém tem pachorra para ler extensos programas, recheados de banalidades e promessas em que ninguém acredita.
O essencial é captar o sentir maioritário dos eleitores e falar-lhes do que lhes interessa e de como se concretizarão as suas expectativas. Simultaneamente é necessário mostrar novos caminhos e mobilizar os eleitores para os fazerem conjuntamente.
O "Choque Tecnológico" de Sócrates, por muito que alguns se riam da ideia, constituiu uma verdadeira revolução e fica como exemplo de como uma ideia consistente pode ajudar a mudar um país.
Não são precisas muitas ideias, basta uma boa para alterar o curso da história.

Barreto e a autonomia

Não é novidade que António Barreto é um dos mais lúcidos pensadores portugueses. Num texto que hoje publica no jornal Público, titulado "O eterno recomeço", faz uma síntese, na qual muitos certamente se revêm, do balanço possível do legado da actual equipa do ME. Cito apenas um pequeno passo que vem ao encontro do meu pensamento sobre a gestão do sistema escolar. "Com a maioria absoluta e a aparente contenção do poder sindical, parecia possível procurar outras vias, nomeadamente a autonomia das escolas e da sua devolução por inteiro às comunidades".
Inteiramente de acordo, mas ainda vamos ter um longo caminho a percorrer. Apesar dos contratos de autonomia, uma simples gota de água no sistema e, mesmo esta, muito ténue, quase tudo está ainda por fazer. Para complicar e dificultar ainda mais, há um receio profundamente arreigado em muita gente, professores incluídos, de que a autonomia possa significar poder dos munícipios sobre as escolas. Entre o Estado Central e o Estado Local, há muitos a preferir o primeiro.
Relativamente ao texto de Barreto, apenas uma discordância, não se pode devolver às comunidades o que nunca lhes pertenceu. A gestão escolar sempre foi prerrogativa do poder central, que depois de 1974 partilhou, por interesse estratégico, com os professores, o governo das escolas.
Formalmente, este paradigma só foi alterado, muito timidamente, com o actual decreto-lei regulamentador da gestão das escolas (75/2008) que colocou em minoria nos conselhos gerais, os professores, situação nunca antes ocorrida.

A política do bypass

Na política tudo é possível, tal como na vida. A concelhia de Leiria do PSD, escolheu um candidato à Câmara que não mereceu a aprovação das estruturas distritais nem nacionais. Nada a objectar, são os regulamentos.
A coisa complica-se quando é indicada uma (re)candidata, sem que a estrutura local reveja a sua posição ou seja destituída por se opor à escolha e militar contra ela.
Agora que a campanha se inicia, finge-se não existir estrutura local e monta-se uma paralela, fazendo-se uma espécie de bypass. Talvez seja a solução possível, mas será admissível? A ver vamos.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Dicas para uma campanha eleitoral (1)

Uma campanha pela positiva.

Dizer mal dos adversários agrada aos adeptos, mas não entusiasma os eleitores e às vezes é desonesto.
Além do mais, quanto mais se fala dos adversários mais importância se lhes está a dar. Propostas credíveis é a receita mais eficaz e, sem o dizer explicitamente, propostas que façam o contraponto com o que os adversários não fizeram ou não propõem.
A seriedade é fundamental para dar suporte às propostas e mesmo quando alguns políticos, que podem ser considerados tudo menos sérios, ganham eleições é porque conseguem a proeza de fazer com que os eleitores acreditem em duas coisas - que não são tão maus como os pintam e que a sua capacidade de realização em benefício das populações está acima dos seus pecadilhos.

Lição número um: Seja sério(a), dê-se ao respeito, apresente propostas que cativem e evite a má língua. Os adversários existem, respeite-os, mas dê-lhes a menor importância possível, não faça o trabalho deles, preocupe-se com o seu. Uma campanha pela positiva é meio caminho andado.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

As autárquicas em Leiria

Aparentemente vamos ter mais do mesmo, quase que se pode dizer que é o "derby" do costume - Isabel vs Castro - mas talvez não seja bem assim, depende da capacidade de cada uma das candidaturas para apresentarem uma agenda nova, com propostas que vão ao encontro das expectativas dos munícipes e que projectem um futuro ambicioso para o concelho.
Se persistirem nos temas recorrentes do passado, saneamento, revisão do PDM e quejandos, estamos conversados.
O mundo mudou, os cidadãos também e a forma de fazer política idem. A blogosfera é um meio excelente de cada um dizer de sua justiça. Em vez de se ficar á espera que os líderes digam o que pensam, cada um pode dizer o que sente, apresentar propostas, gritar o que lhe vai na alma. Pela minha aparte é o que vou fazer e se quiserem aproveitar o espaço, sirvam-se à vontade.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Candidaturas não acumuláveis

O PS está a digerir com alguma azia a deliberação de não serem acumuláveis candidaturas às autarquias e à Assembleia da Repúbica.
Depois da derrota traumática das europeias e dos chifres do ministro Pinho, a direcção faz um "manguito" aos esforçados candidatos e candidatas que se estavam a preparar para um difícil número de equilibrismo, com um pezinho no territótio autárquico e outro em São Bento.
A decisão só peca por tardia e Manuel Alegre faz muito bem em instar Ana Gomes e Elisa Ferreira a assumirem-se numa das suas duas qualidades -deputadas ao Parlamento Europeu ou candidatas, respectivamente, a Sintra e ao Porto.
É certo que a decisão já devia ter sido tomada há muito, mas vale mais tarde do que nunca e é tempo de se perceber que os eleitores não aceitam ser tratados como lixo e, muito menos, serem tomados por parvos.
Um candidato ou candidata é-o, por definição, a um cargo ou função, não a dois ou mais, como um apostador que quer aumentar as suas hipóteses de sucesso em caso de vitória e a precaver-se em caso de derrota.
Veja-se o caso emblemático de Elisa Ferreira. Ganhar o Porto é um desafio muito difícil, que obriga a um empenhamento total e a uma consciência muito clara de que se não ganhar tem de "comer o pó levantado pelos vencedores". Ora, se a derrota se traduzir no "exílio" europeu, é impossível que a candidata não faça a campanha com o sentimento de que o pior que lhe pode acontecer é ir tomar ares para o centro do continente. Confortável, não acham?
E o mesmo é válido, mutatis mutantis, para todos e todas que se abalançassem a duas candidaturas e que sempre pensariam numa dupla oportunidade para conseguirem um lugar.
Com toda a candura, uma candidata que sempre esteve nas primeiras linhas do PS veio dizer que se não ganhar precisa de um emprego para sobreviver pois ser vereador da oposição não enche barriga (a expressão é minha).
Pois, é verdade, mas toda a gente deve ter um emprego e não viver exclusivamente da política. É essa a essência da democracia. Uma das razões do empobrecimento da nossa vida política é, precisamente, o facto de alguns se servirem da política em vez de servirem o país. Sem qualidades para conseguirem um emprego decente, tornam-se "nossos representantes" nas autarquias, na Assembleia da República, no Governo e nos serviços públicos, enxameando a mesa do poder e sugando o erário público. E nesta matéria não há partidos inocentes, são todos iguais.
O PS fez bem em clarificar esta questão. Os dois amores que o Marco Paulo cantava pertencem ao mundo cor-de-rosa, salvo seja, não à política, quando esta respeita a ética e os eleitores.

domingo, 5 de julho de 2009

Autonomia das escolas vs governação por contrato

Dia 3, no Centro Cultural de Belém, o Ministério da Educação organizou uma jornada de análise e reflexão sobre a autonomia das escolas.
A Ministra da Educação presidiu ao evento e considerou ser esta uma área em que a sua acção pessoal e política foi determinante para que existam cerca de vinte escolas com contratos de autonomia.
A jornada foi um misto de propaganda, relato de práticas (boas ou más, depende do ponto de vista) e de reflexão académica.
Independentemente de qualquer perspectiva crítica, tratou-se de uma iniciativa interessante e oportuna, embora tenham sido patentes alguns dos equívocos que contaminam este processo.
Em primeiro lugar há uma questão, bem levantada por Jorge Adelino Costa (Universidade de Aveiro), sobre a impossibilidade de as escolas não superiores terem autonomia, por lhes estar vedada nos termos da Lei de Bases do Sistema Educativo (1986).
João Formosinho (Universidade do Minho) utiliza preferencialmente a expressão "governação das escolas por contrato", conceito muito mais rigoroso e ajustado à realidade.
Uma segunda questão resulta do facto de se ter ignorado que a "autonomia das escolas" ou a "governação por contrato" não dispensam o concurso das autarquias. Lamentavelmente foram excluídas da jornada, ninguém (que eu tenha ouvido) se lhes referiu e não vi por lá nenhum representante "oficial".
Finalmente, o modelo de "autonomia" ou "governação por contrato" centra-se na descentralização de competências do ME para as escolas e a sua conceptualização coloca o escopo apenas nas escolas e/ou agrupamentos, continuando a ignorar-se a possibilidade de se criarem unidades de gestão de âmbito concelhio, nos casos em que existam mais de que uma escola e/ou agrupamento num município.
Também não se inova na possibilidade de rever a lógica centralista da administração escolar, procedendo à sua territorialização (municipalização), acabando de vez com o modelo único e com a gestão do ME, substituindo-a por uma gestão local fortemente ancorada em cada comunidade.
Os chamados "contratos de autonomia" são um passo tímido, é certo, mas positivo num caminho que é necessário fazer, mas que não pode ser ingenuamente concebido como se as escolas pudessem ser autónomas, isentas de um controlo social sobre o seu funcionamento e produtos, e a funcionar umbilicalmente ligadas ao ME, em vez de às comunidades que servem.
A revolução que está por fazer implica que o ME deixe de ser responsável pela gestão das escolas e que se conforme às importantes funções de planeamento macro do sistema e supervisão e controlo do seu funcionamento. A função de avaliação deve ser deixada à competência de uma agência independente, como já acontece para o Ensino Superior.

Bota-abaixo

MFL já decidiu, se ganhar as eleições só se salva a política social. Tudo o resto que o PS andou a fazer vai para o caixote do lixo. Depois não digam que a Sr.ª não avisou.
Uma forma de abordar a política é o confronto, a outra é o consenso, a busca do máximo denominador comum, talvez a melhor forma de superar as fragilidades nacionais e a concorrência internacional.
Já agora, reavivem as memórias e vejam como foi MFL enquanto Ministra da Educação e, depois, das Finanças. O país não pode ser governado à custa dos humores mal resolvidos de quem tem o poder.

O PS, Castro e os provérbios

A candidatura do PS à Câmara, protagonizada por Raul Castro, parece inspirar-se na ideia de que “Não há duas sem três”. A expectativa é alta, Castro sempre obteve bons resultados, tem uma boa rede alargada de contactos e motivação q.b.
Para o PS, ganhar a câmara de Leiria é como conquistar o Everest, o que exige liderança, coesão, trabalho e sacrifício, pelo que “Os fins justificam os meios”.
E se “Não há bem que sempre dure, nem mal que não se acabe”, e como “Quem porfia sempre alcança”, pode ser que o vaticínio se concretize. “À terceira é de vez”.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Regresso

Um blogue é como um animal de estimação, necessita de atenção e carinhos. Confesso que nos últimos tempos descurei um e outros e me tenho limitado a postar os textos que publico no Região de Leiria.
A culpa é minha, naturalmente, mas em minha defesa posso invocar o "estado a que isto chegou", expressão que releva dos tempos do Estado Novo em que aquela expressão procurava qualificar, com ironia, a situação política do país.
A educação em Portugal é hoje, pouco mais do que isto, um silêncio sofrido na esperança de que a provação termine depressa. E de tal modo a situação é grave, que mesmo os especialistas não encontram motivos mais marcantes para caracterizar o que se passa no país do que assinalar a crispação que se sente por todo o lado, a quebra do laço afectivo entre os professores e quem os tutela.
Sindicatos e politiquices à parte, é disto que se trata, falta de liderança de quem, por completa ausência de expertise na gestão dos recursos humanos, delapidou o património mais valioso para realizar uma reforma de fundo de qualquer sistema educativo - os professores.
Também eu sucumbi à vontade de fingir que a realidade não é tão má como a pintamos, e deixei de escrever no blogue. No fundo, é uma forma de protesto como outra qualquer. Há momentos em que ignorar alguém ou alguma coisa é uma forma suprema de vingança. Talvez agora regresse.

Voto de silêncio

Seis portugueses em cada dez votaram em silêncio, abstendo-se. É certo que as maiorias silenciosas não formam governos, mas podem fazê-los cair. Não foi o caso, mas não deixou de ser um forte abanão.
Até o Primeiro-ministro já veio dizer que é preciso explicar melhor as políticas do Governo. Explicar? Os portugueses não são parvos, percebem as medidas, mas muitos não as aceitam.
A derrapagem do PS foi o resultado conjugado do descontentamento com algumas políticas e da falta de uma razão válida para ir votar. O silêncio transformou-se em alarido e a democracia ficou empobrecida.

Voto de silêncio

Seis portugueses em cada dez votaram em silêncio, abstendo-se. É certo que as maiorias silenciosas não formam governos, mas podem fazê-los cair. Não foi o caso, mas não deixou de ser um forte abanão.
Até o Primeiro-ministro já veio dizer que é preciso explicar melhor as políticas do Governo. Explicar? Os portugueses não são parvos, percebem as medidas, mas muitos não as aceitam.
A derrapagem do PS foi o resultado conjugado do descontentamento com algumas políticas e da falta de uma razão válida para ir votar. O silêncio transformou-se em alarido e a democracia ficou empobrecida.

terça-feira, 16 de junho de 2009

O sonho e o pesadelo

O projecto do centro comercial e da grande renovação da cidade, que lhe estava associada, morreram. Agora é tempo de procurar alternativas.
A prioridade deve ser rentabilizar o topo norte do estádio, que custou em 2005 cerca de onze milhões de euros, mais dois milhões e trezentos mil de juros até 2009 (dados da CML).
Por outro lado repensar o modelo de cidade comercial de Leiria, ancorando um projecto de renovação altamente qualificada a partir do centro histórico. As cidades enobrecem-se revitalizando o seu coração.

Europeias, o ruído como programa

Sabe-se que as eleições europeias interessam pouco ao comum dos cidadãos, apesar de serem evidentes as consequências da nossa integração na União Europeia.
Este momento seria muito propício a discutir as grandes questões da União, a reforçar a reflexão sobre as vantagens e prejuízos da integração, a mobilizar os eleitores para o espírito europeu.
O que se tem assistido é à chicana habitual, centrada no umbigo e nos insultos, evidenciando a pouca qualidade do debate e a falta de elevação de alguns protagonistas. É mais uma oportunidade perdida.

domingo, 31 de maio de 2009

Leiria na Primeira Liga

O regresso da União Desportiva de Leiria ao primeiro escalão das competições nacionais merece uma referência e uma saudação a todos quantos contribuíram para alcançar este objectivo.
Ter uma equipa nesta competição é um elemento indispensável numa estratégia de afirmação global dos interesses de desenvolvimento do concelho e da região.
Este é um momento oportuno para repensar a relação do clube com os cidadãos em geral, com os poderes públicos locais e com as empresas, acentuando a ideia de parceria e reforçando a transparência de procedimentos.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Da castidade ao sexo livre

A educação sexual é matéria controversa. O problema não são os factos, mas os valores que lhes andam associados e como pode a Escola intervir. Da castidade ao sexo livre há um mundo de hipóteses. E quem decide? E como se aborda? E onde se traça a fronteira?
Distribuir preservativos? Não será consensual, mas não se pensa distribuir máscaras contra a gripe? O problema não são os preservativos, é a educação que damos aos nossos filhos, ou que não damos.
As doenças sexualmente transmissíveis e as gravidezes precoces são um problema de saúde pública e não se combatem com moralismos, mas com educação

quarta-feira, 20 de maio de 2009

O tetra de Pinto da Costa

Diz-se que o Porto ganhou o campeonato. É verdade, mas a equipa e o seu treinador, Jesualdo Ferreira, são apenas os agentes concretizadores de uma estratégia.
O verdadeiro vencedor, o artífice da vitória, é o presidente Pinto da Costa, e a carreira fabulosa do Porto, nos últimos vinte anos, é apenas a expressão de uma liderança sem paralelo em equipas portuguesas.
No Porto não são os jogadores nem os treinadores que fazem a diferença, é o presidente, ou seja, aqueles são importantes, mas o presidente é que é determinante.

sábado, 9 de maio de 2009

A política do confronto

O confronto é, para alguns, o tónico que faz avançar as sociedades. O consenso é deletério, dizem, porque não acicata os ânimos, não clarifica, não produz rupturas.
Um dia destes, um dos gurus do Ministério da Educação, assinalava que quando a luta com os professores alcançava picos, o PS se aproximava da maioria absoluta. “São as sondagens que o comprovam”, perorava alto.
O diabo é que os problemas da educação e do país não se resolvem à bruta, e os malefícios do confronto perdurarão muito para além dos seus mais activos cultores.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Uma aliança virtuosa

Para lá das polémicas sobre o estádio de Leiria, importa rentabilizar o investimento feito, resolvendo o impasse do topo norte e explorando as potencialidades do complexo e do campo de treinos adjacente.
Os dois equipamentos podem servir de base a um projecto de excelência na área do atletismo, alavancado pela recente criação, no IPL, de uma unidade de investigação em Motricidade Humana.
As infra-estruturas existentes, o treino científico, a competência investigativa, podem constituir uma aliança virtuosa e criar em Leiria um novo nicho de desenvolvimento.

sábado, 25 de abril de 2009

Até tu Chávez!

Na cimeira das Américas a notícia foi o aperto de mão Chávez-Obama. O presidente da Venezuela deu o sinal que faltava para a conversão ao estilo Obama - afirmativo, empático e caloroso.
Fiel Castro já avisara que era importante olhar para a nova liderança americana e Raul, o homem a quem foi confiada a espinhosa tarefa da transição, já disse que tudo pode ser negociado, incluindo direitos humanos e prisioneiros políticos.
Cuba já pode receber as reservas dos seus emigrantes e as viagens foram liberalizadas. O fim do bloqueio não vai tardar. É o início de um novo ciclo na América Latina.

terça-feira, 21 de abril de 2009

A Justiça faz-de-conta

A Justiça é um dos mais fiáveis indicadores de desenvolvimento dos países. Sem um sistema de justiça que funcione com eficiência de processos e eficácia de resultados não há sociedades saudáveis.
A situação portuguesa é bem a ilustração disto e o caso Freeport o último episódio. A questão essencial continua por esclarecer, mas nasceu um spin off, o caso das pressões sobre os magistrados.
Para além da quebra do segredo de justiça são agora os próprios agentes da Justiça a engalfinhar-se. É tempo de a Justiça tirar a venda e encarar a realidade, se não se dá ao respeito, quem a respeitará?

sábado, 11 de abril de 2009

Sede de liderança

A viagem do Presidente Obama à Europa afirma a nobreza da política e evidencia que boas lideranças são o que se precisa para ultrapassar a grave crise em que o mundo mergulhou.
A empatia gerada por Obama e por Michelle, que se tornaram já verdadeiros ícones populares, não deixou indiferente a rainha Isabel II nem o povo anónimo.
Os mercados reagiram favoravelmente ao pacote de apoios aprovado nos EUA e a liderança de Obama faz o resto, alavanca o optimismo, traça um rumo, dá segurança. O desarmamento nuclear foi retomado e o compromisso ecológico afirmado. O mundo está a mudar, desta vez para melhor.

domingo, 5 de abril de 2009

Boas práticas

Hoje moderei um debate sobre boas práticas na educação. Organização da ADLEI, realizou-se na livraria Arquivo (quem não conhece deve descobrir o espaço, toma-se um café, degustam-se livros, surfa-se na net, há exposições e tertúlias).
O cabeça de cartaz, David Justino, rebentou o carro a não chegou a Leiria. Ficámos todos a perder, mas os carros ainda avariam.
Célia Santos, Nery Capucho, irmã Maria Manuel, Colégio de Nossa Senhora de Fátima, Carlos Ferreira, Raúl Proença, Ilídio Baptista, Escola Tecnológica e Profissional de Sicó, Andrea Sousa, ISLA, Luciano de Almeida, IPL e António Rodrigues, Centro de Competência da Batalha, falaram das boas práticas das suas organizações.
Henrique Neto, António Frazão e Guilherme Valente (GRADIVA) deram contributos muito oportunos. Ribeiro Vieira, presidente da ADLEI, abriu e encerrou os trabalhos com a queda que se lhe reconhece.
Num ambiente descontraído falou-se de coisas importantes, com conhecimento e experiência. A educação não é um pântano e os exemplos ali trazidos ilustram-no bem. O sistema de ensino é o território onde se constrói o futuro e, pelo que ali se disse, podemos estar optimistas.
Acabe-se com o discurso do caos, estudem-se as boas práticas (benchmarking) e vá-se em frente. Nunca como hoje houve tantos professores tão bem preparados, escolas com tão boas condições e tantos alunos nas escolas.
Então o que é que falta para melhorar os resultados? Expectativas altas, regras e valores e liderança. Mãos à obra.

27 votos

Para que conste, 27 votos dos membros da comissão concelhia de Leiria do Partido Socialista foram os bastantes para que Raúl Castro seja de novo o candidato do PS à Câmara de Leiria.
É bom dizer que o concelho tem mais de cem mil votantes. Não será difícil perceber a razão por que as pessoas estão cada vez mais desinteressadas da vida política. Se um candidato a uma câmara, com um universo eleitoral tão amplo, é escolhido por um número tão restrito de pessoas isto só pode significar que o processo é restritivo, pouco participado e que dificilmente pode ser mobilizador.
Ao candidato só posso desejar felicidades e que obtenha um bom resultado, neste caso a vitória, pois qualquer outro será mau.

Fundação IPL

O Conselho Geral do IPLeiria aprovou ontem o pedido ao MCTES para se abrir o processo de discussão prévia necessário para ajuizar se se justifica a transformação em fundação. É o primeiro politécnico a fazê-lo e, provavelmente, o único. Mais um desafio aliciante.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

A democracia preguiçosa

Já pensou nas próximas autárquicas? Será que vai votar no seu/sua candidato/a ou em alguém que escolheram por si? Arranjam-lhe um candidato e você só põe a cruz (!). É a chamada democracia preguiçosa.
Para que a coisa funcione, faz-se uma sondagem. Há lá coisa mais democrática! Claro que só quem entra na sondagem pode ser candidato, e aí você começa a perceber como é que a coisa funciona.
Pronto, tem candidato/a, por exclusão de partes. A partir daqui é elogiar o/a candidato/a e votar na cor preferida, que o mal é geral. O/a candidato/a não serve? Não faça perguntas inconvenientes. Vote e cale-se!!!

domingo, 29 de março de 2009

O Papa e os dramas de África

A viagem de Bento XVI a África salda-se por muitos sucessos e por um perigoso equívoco. A defesa da paz, a emancipação das mulheres, a luta contra a discriminação, ficam a ecoar como palavras de esperança.
O mesmo se não poderá dizer da condenação do uso de preservativos. Conhecidos que são os princípios da Igreja Católica sobre a matéria, não se espera que o Papa os renegue. Mas insinuar que aqueles podem contribuir para o agravamento da epidemia, é ignorar o que a medicina comprova.
A castidade é preferível aos preservativos, mas perante as fraquezas da carne não se conhece melhor meio de defesa.

segunda-feira, 23 de março de 2009

O topo norte

O topo norte do estádio de Leiria é um monumento emblemático. Qual escultura modernista, interpela-nos acerca das virtudes e incapacidades do poder. Representa a euforia do EURO 2004 e o seu contrário, o despesismo e o endividamento numa obra majestática e subaproveitada.
Pensado para rentabilizar comercialmente o empreendimento, transformou-se no oposto, um destroço caro e improdutivo, um sumidouro de dinheiros públicos, uma evidência de incapacidade.
O cidadão olha e encolhe os ombros, como se não saísse do bolso de todos o pecúlio que ajuda a pagar o serviço da dívida, sem qualquer contrapartida. É o fado português no seu melhor.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Líderes e lideranças em escolas portuguesas. Trajectos individuais e impactos organizacionais.

Para os que se interessam pelo tema, deixo-vos o resumo da minha tese de doutoramento. Se alguém estiver interessado na versão integral, basta pedir-ma para: jmsilva@esecs.ipleiria.pt

RESUMO
Com esta investigação visa-se aprofundar o conhecimento sobre presidentes de conselhos executivos de escolas secundárias públicas estatais portuguesas, reconstituindo os seus trajectos pessoais e profissionais, caracterizando a forma como desempenham os seus cargos, identificando as suas características de liderança, avaliando os impactos organizacionais daí decorrentes e a influência que esta multiplicidades de factores exercem nos resultados globais dos alunos.

RESUMEN
Con esta investigación, nuestra intención es progresar en el conocimiento sobre los presidentes de los conselhos executivos de las escuelas secundarias públicas del Estado en Portugal, reconstituyendo sus trayectos personales y profesionales, caracterizando la manera de desempeñar sus funciones, identificando sus características de liderazgo, valorando los consiguientes impactos organizacionales y la influencia que esta multiplicidad de factores ejercen en los resultados globales de los alumnos.

SUMMARY
This investigation aims to further the knowledge about Executive Board Directors of Portuguese state secondary schools, reconstituting their personal and professional paths, characterizing the way they deal with their positions, identifying their leadership characteristics, evaluating the organizational impacts resulting from these factors and the influence that this multiplicity of factors has on students’ global results.

Palavras chave: Educação, administração da educação, gestão da educação, organizações, líderes, liderança.

sábado, 14 de março de 2009

Anonimatos

Manter o anonimato é um direito que assiste a qualquer cidadão, mas subscrever as opiniões que se defendem não escondendo a cara na sombra é um dever cívico que tolera muito poucas excepções.
Este blogue é um espaço de liberdade, não uma tribuna para anónimos.

O grau zero da política

A política é feita de discussão e de opções e é, precisamente, o facto de as pessoas poderem optar e sentirem que a sua escolha pode ser determinante que as motiva e torna participativas.
O contrário leva ao alheamento, à desmotivação e ao descrédito da política e da democracia, tendência inegável em Portugal, onde se estreita progressivamente o crédito da actividade cívica.
Agora virou moda tirar candidatos da cartola, como se de ilusionismo se tratasse, escolher de acordo com sondagens prévias e centralizar a escolha até dos candidatos locais. Aos eleitores resta apenas votar. Não será pouco?

Ser ou não ser...fundação

É o tema do momento no Instituto Politécnico de Leiria. Decorre um processo de esclarecimento/auscultação conduzido pelo Presidente, no final do qual este apresentará...,ou não, um pedido formal ao Conselho Geral para que se inicie o processo de negociação com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.O simples facto de o assunto estar a ser discutido significa que o IPL é um instituto de excepção. É que em matéria de poder aspirar a ser fundação, não é quem quer, mas quem pode, isto é, quem possui os requisitos necessários para se abalançar à negociação.O IPL tem sido pioneiro em muitas áreas, nomeadamente na formação dos seus docentes, tendo organizado o único programa colectivo de doutoramentos entre todas as instituições de ensino superior, que envolve quase quatro centenas de docentes.Já o está a ser também relativamente ao regime fundacional.

domingo, 8 de março de 2009

A mexicanização do sindicalismo docente

Falando um dia deste com um consultor internacional, que esteve em missão recente no México, dizia-me ele que o sindicato dos professores é a maior força de pressão do país, controla cerca de 10 milhões de votos, constituiu um partido político e é, verdadeiramente, quem controla a educação no país. Usando uma expressão forte "vende os votos a quem lhe assegurar mais regalias".
Lembrei-me disto a propósito do "cordão humano" e do aproximar das eleições. O fantasma da perturbação das actividades lectivas e avaliativas no terceiro período começa a inquietar os pais, mas não perturba menos os partidos ante a perspectiva de terem de lidar com a agitação escolar em vésperas de três actos eleitorais.
A estratégia dos sindicatos, ou da FENPROF (?), começa a ser perceptível, fazer sentir aos partidos que os votos dos professores podem ser decisivos para as suas aspirações. Quem prometer mais...

sexta-feira, 6 de março de 2009

Mulheres

Não é necessário ser profeta ou futurólogo para que se possa afirmar que o século XXI vai ficar marcado pela conquista definitiva da plena igualdade entre mulheres e homens, nas chamadas sociedades ocidentais.
Nas restantes continuará a existir uma acentuada diferenciação, ainda que em graus desiguais, pois a questão da igualdade de género assenta em conceitos não universais e que, manifestamente, não encontram suporte incontestado.
Às vezes há a tentação etnocêntrica de considerar o mundo à nossa imagem e semelhança, mas a realidade é muito mais rica e complexa do que se pretende. Talvez alguns acreditem numa cruzada, mas que não se tenham ilusões, os crentes são sempre menos do que os bárbaros.

domingo, 1 de março de 2009

Os pobres que paguem a crise

Quando a crise começou não se imaginava o cortejo de negociatas, manobras financeiras e fugas ao fisco, que respeitáveis banqueiros e gestores, gente do jet set, beneméritos e comendadores tramavam para engordar as respectivas contas bancárias e fazerem de parvo quem trabalha e tem os impostos em dia.
De repente o mundo revelou-se como um enorme casino e descobriu-se uma vulgar bandidagem disfarçada de elite, que ao roubo por esticão prefere meios mais sofisticados e eficientes.
Não surpreende, pois, que sejam os mais pobres a pagarem a crise, a irem para a rua e a serem espoliados dos empregos. Responsabilidade social das empresas, o que é isso?

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Terça-feira gorda

Um dia celestial. Um Sol fulgurante e um friso de pessoas que passam. Sentado num banco de jardim observo a condição humana. Por momentos esqueço-me de tudo e concentro-me nos tipos que passam. O lastro de ruralidade, mesmo nas cidades, persiste.
Pego no jornal e cá está a prova do nosso atraso, evoluimos, mas muito lentamente, não é um problema de gerações, é muito mais fundo, é de cultura.
O programa mais visto nas televisões, no domingo, foi o "Não há crise". Afinal o riso é a melhor terapia. Ganhou a "Equador", e está tudo dito.
Em Viseu, numa feira, a polícia apreendeu um livro de arte porque na capa tinha imagens pornográficas.
O moralismo é terrível, já noutro dia uma ilustre procuradora mandara tapar um Magalhães porque tinha "mulheres nuas" no ecrã. A censura volta a atacar.
Simplesmente, nem as imagens dos magalhães eram obcenas nem as do livro de arte pornográficas. Neste caso, tratava-se tão só de uma reprodução do magnífico quadro de Courbet, pintor francês do século XIX, "A Origem do Mundo", que retrata uma mulher nua e evidencia as suas zonas mais erógenas. O quadro está exposto no Museu de Orsay, em Paris, e não há notícia de que, a não ser os polícias dos bons costumes, alguém se tenha incomodado perante a nudez da maternidade.
É isto Portugal, um país onde o programa de televisão mais visto é um repositório de situações que suscitam o riso e onde a polícia ainda persegue as obras de arte. Para terça-feira gorda, não se arranjaria melhor!

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Faz-de-conta

É sabido que a política e os políticos estão desacreditados aos olhos da maior parte das pessoas e que já quase ninguém acredita na seriedade de quem desempenha cargos político-partidários.
Também se sabe que os políticos não são uma espécie rara, são apenas representantes da população em geral, pelo que quando alguém se olha ao espelho da política se vê lá reflectido enquanto parte deste povo que somos.
Afinal todos nós sabemos que a falta de participação gera a mediocridade, que a desistência corrói, que a maledicência é o húmus do negativismo e que o faz-de-conta não alimenta consciências livres.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Liberdade para morrer

Nascer não é um acto de vontade, é um arbítrio. Ao contrário, morrer pode ser um arbítrio ou um acto de vontade, do próprio ou de terceiros. Apesar da controvérsia, é cada vez mais amplo o movimento para que se reconheça o direito a uma morte digna e desejada.
Um ser humano é corpo e espírito/consciência. O corpo é instrumental, a consciência substantiva. Há quem viva preso no corpo, mas um corpo, só por si, não é ninguém, é apenas uma coisa com nome.
Quando a consciência desaparece fica somente um corpo sem préstimo. Eluana Englaro foi exemplo disso. Negar o direito a uma morte que libertasse aquele corpo seria um acto de opressão e Deus nunca pode estar do lado dos opressores.

Liberdade para morrer

Nascer não é um acto de vontade, é um arbítrio. Ao contrário, morrer pode ser um arbítrio ou um acto de vontade, do próprio ou de terceiros. Apesar da controvérsia, é cada vez mais amplo o movimento para que se reconheça o direito a uma morte digna e desejada.
Um ser humano é corpo e espírito/consciência. O corpo é instrumental, a consciência substantiva. Há quem viva preso no corpo, mas um corpo, só por si, não é ninguém, é apenas uma coisa com nome.
Quando a consciência desaparece fica somente um corpo sem préstimo. Eluana Englaro foi exemplo disso. Negar o direito a uma morte que libertasse aquele corpo seria um acto de opressão e Deus nunca pode estar do lado dos opressores.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Um país de corruptos

Se olharmos para o nosso país através do filtro mediador da comunicação social sentimo-nos a viver num país de corruptos. Mais, parece que a corrupção tem maior importância do que a crise gravíssima em que estamos mergulhados.
Longe de mim desvalorizar a luta contra a corrupção ou minimizar o efeito deletério que esta assume em qualquer sociedade, mas também não me parece benéfico, nem para o futuro do país nem para a auto-estima dos portugueses, que se instale a ideia de que a corrupção é o nosso principal problema.
O que o país precisa é de um pacto para afrontar a crise e não que nos distraiam do essencial.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Voluntariado

O voluntariado docente é uma prática muito comum pelo mundo fora. A ideia do ME seria de saudar, e uso o condicional pois não é este o tempo nem é este o governo de quem se possa aceitar uma tal proposta.
Como todos sabem, este governo não tem os professores em grande conta e tudo tem feito para mandar embora os mais experientes.
A que propósito voltariam agora à escola? Só se fossem masoquistas.
O voluntariado é uma prática nobre mas como não é com vinagre que se apanham moscas, a proposta é deslocada, está fora de tempo e é quase uma provocação vinda de quem vem.
Mas, para além da ideia, fica a demonstração da mentalidade normativa de quem dirige o ME. Até o voluntariado tem de ser regulado mesmo nos mais ínfimos pormenores. Na sanha regulamentadora e avaliadora que agora faz escola, nao faltava mais nada a não ser um concurso para voluntários e a consequente auto-avaliação. Safa! como dizia Cavaco Silva nos bons velhos tempos do Cavaquistão.
Já agora, onde é que fica a autonomia das escolas?

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Curso em Direcção, administração e gestão de organizações escolares

É já no dia 6 de Março que se inicia o curso de formação especializada/pós-graduação em Direcção, administração e gestão de organizações escolares, que vai funcionar na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (nova denominação da ESE) do Instituto Politécnico de Leiria.
Assumidamente destinado à formação de líderes e gestores escolares, tem um plano de estudos adaptado às necessidades fundamentais, teóricas e práticas, de quem se quer qualificar para dirigir e gerir escolas e um corpo docente onde o compromisso entre académicos, técnicos e gestores escolares experientes é evidente.
Concebido por forma a proporcionar oportunidades de reflexão numa perspectiva internacional, o curso conta com a participação especial de dois professores catedráticos de universidades espanholas, Manuel Lorenzo Delgado, da Universidade de Granada, uma referência na área da liderança, e Tomás Banegil Palácios, da Universidade da Extremadura, especialista em gestão de recursos humanos.
Também dão o seu contributo inestimável Edmundo Gomes, Director do Gabinete de Gestão Financeira do Ministério da Educação, João Paulo Mineiro, presidente de um conselho executivo e galardoado com o prémio de liderança 2008, atribuído pelo ME, Rodrigo Queiróz e Melo, da Universidade Católica e especialista em questões do ensino particular e cooperativo, Fernando Pina, chefe de serviços administrativos e com larga experiência em contabilidade escolar, Maria João Braga da Costa jurista especializada em questões educativas e Marco Trindade, especialista em software de apoio à gestão escolar.
Alzira Marques, Antónia Barreto, Brites Ferreira, Lúcia Oliveira e José Manuel Silva, professores do IPLeiria, completam o corpo docente do curso.
O funcionamento será quinzenal para facilitar a frequência por parte de pessoas que não sejam da região e tenham de pernoitar em Leiria de sexta-feira para sábado, dias em que o curso terá sessões. O alojamento a preços reduzidos será possível nas residências e pousada do IPL, assim como a alimentação.
Mais informações em http://www.esecs.ipleiria.pt/

Avaliação internacional do 1.º ciclo

Para os que se interessam por ir ao fundo das questões e não apenas pelos soud bites da comunicação social, é imperativo ler com toda a atenção o relatório elaborado por peritos internacionais.
Para que não haja desculpas, aqui fica o link:
http://www.governo.gov.pt/Portal/PT/Governos/Governos_Constitucionais/GC17/Ministerios/ME/Comunicacao/Notas_de_Imprensa/20090126_ME_Com_Avaliacao_Basico.htm

Para além da euforia do Governo, ficam as apreciações críticas da comissão que elaborou o relatório sobre muitas questões que todos consideram merecedoras de reparo.
Naturalmente que num ou noutro passo, o relatório evidencia perspectivas que resultam de uma apreciação feita com olhos "de fora" e que nem sempre se compaginam com a cultura escolar portuguesa.
Dou um exemplo, a solução unipessoal para as direcções das escolas. De um ponto de vista meramente técnico, a solução director é recomendável como geradora de lideranças mais fortes, requisito considerado essencial para assegurar uma direcção estratégica das organizações mais eficaz. Esta perspectiva é reforçada por muitas experiências internacionais que consagram este modelo e que acham surrealista o formato que vigorou em Portugal nas últimas três décadas.
No entanto, é muito difícil encontrar nas escolas portuguesas quem concorde com a nova solução, sejam professores, sejam os próprios gestores escolares e quase todos afirmam preferir o modelo anterior, por o considerarem mais democrático e participativo.
"É a cultura, estúpido", como diria Clinton. Só não percebe quem olha para a realidade e não consegue compreender que esta existe independentemente da nossa vontade, o que acontece com os reformadores do ME, convencidos que mudam tudo de acordo com a sua orientação política, como quem muda as peças de um lego.
Este relatório é um documento útil e deve ser lido e reflectido como tal e não encarado como um frete ao governo e, por isso, lançado ao caixote do lixo, sem mais.

domingo, 25 de janeiro de 2009

O porto inseguro de Sócrates

O Freeport tornou-se o porto inseguro de Sócrates. Acredito na sua inocência e não posso deixar de me recordar da história do lobo e do cordeiro. " - Se não foste tu, foi o teu pai (tio e primo, neste caso)", mesmo que ainda nada se tenha provado de substantivo relativamente a qualquer deles.
Qual crise, qual desemprego galopante, qual colapso de milhares de economias familiares. O Freeport é que parece ser a verdadeira preocupação do país.
Em momentos de tormenta torna-se ainda mais premente um timoneiro. Alguém vê outro melhor do que Sócrates? Então por quê esta sanha de o atirarem ao tapete sem indícios palpáveis, apenas com base em suposições e declarações inócuas? E a justiça? Não é essa a sede própria para tratar do assunto?
Custa-me imenso ver os jornalistas a fazer o papel de investigadores, tanto mais que em sede própria há meios de defesa e na comunicação social resta a fogueira, como nos tempos da Santa Inquisição.
Que não se goste de Sócrates é uma liberdade que cada um administra como quer, mas crucificá-lo assim é uma imoralidade e um atentado aos mais elementares princípios que devem reger uma sociedade democrática.
A liberdade de informação nem sempre se compagina com a necessidade de aumentar as tiragens e as vendas.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

O milagre do Hudson

A amaragem de um avião com cento e cinquenta passageiros a bordo é um feito invulgar, ainda mais quando todos se salvam e apenas um sofre ferimentos dignos de registo.
Como todos pudemos observar em directo pela CNN, o socorro foi imediato, ficando para a história a imagem inusitada de dezenas de passageiros em cima das asas, aguardando calmamente na “fila” para embarcarem rumo à margem.
Tudo pareceu simples e rotineiro e o drama vivido nos poucos minutos que o avião esteve no ar ficou em segundo plano face à capacidade do piloto, à proximidade do rio, à calma das águas, à rapidez da evacuação, à sorte. Às vezes há milagres.

Os casamentos de homosexuais

O tema foi anunciado como um dos tópicos fracturantes que o PS vai colocar à consideração dos portugueses nas próximas legislativas. Só num país ainda refém de um lastro de ideias obsoletas é que esta matéria suscita excitação. Até os nossos vizinhos espanhóis já arrumaram este assunto.
Mário Soares não perdeu tempo e veio dizer que o tema não é prioritário que o que se deve discutir são as assimetrias sociais e dar mais importância a trabalhadores e sindicatos.
Ora bem, que eu saiba, os nossos concidadãos, homens e mulheres, que têm uma orientação sexual deste tipo também são trabalhadores, alguns são sindicalizados, uns com bons empregos, outros desempregados.
Quero eu dizer que não me parece muito justo que quando se fala deste tema sempre alguém venha dizer que não é oportuno discuti-lo, que há outras prioridades mais importantes. Claro que há coisas mais importantes, por isso mesmo, resolva-se o assunto e passe-se adiante.
O casamento é um contrato e, como tal, qualquer pessoa deve ser livre de o celebrar.
Quanto aos aspectos religiosos da questão, que se resolvam no âmbito de cada congregação. Ninguém é obrigado a ter devoção a N.Sr.ª de Fátima, mas também ninguém é impedido de o fazer.
Se duas pessoas do mesmo sexo se querem casar, devem poder fazê-lo livremente, como livremente todos os heterosexuais o fazem. Que sejam muito felizes, é o que lhes desejo.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Voltando à vaca fria

Hoje estive à conversa com uma amiga e militante do PS. A avaliação dos professores foi o prato forte. Ela a favor, eu contra. De um lado a retórica oficial do PS, do outro um militante desalinhado.
Claro que sou suspeito, fui professor do secundário durante mais de uma década e sou formador de professores há mais de duas. Para além disso sou sindicalizado e fui fundador do sindicato onde sou filiado. Tudo graves predicados que não abonam a favor de um crítico do processo de avaliação do desempenho dos professores e militante do PS.
Tenho, no entanto, um argumento moral, a experiência prática de avaliar centenas de candidatos a professores e de professores no activo. Acho que sei alguma coisa do assunto, não só teoria, mas também de experiência vivida.
Acresce que não sou directamente interessado no assunto, pois não estou em causa enquanto avaliado, o que me reconforta para poder ter uma posição independente da defendida oficialmente pelo partido onde milito.
Tudo visto e somado, por que haveria eu de ter a posição que tenho se não fosse por convicção e por esta decorrer de uma análise fundamentada da realidade portuguesa? Claro que não sou contra a avaliação dos professores, pelo contrário, acho-a indispensável. Quando ainda pouco se falava do assunto orientei mesmo seminários sobre a matéria, numa perspectiva de sensibilização, mas a forma como o processo se desenrolou tornou-o quase inviável.
Ninguém no seu perfeito juízo pode pensar em generalizar um processo destes passando uma esponja sobre o passado, pois por muito que a propaganda o queira esconder, já havia avaliação de professores e se o processo não era o melhor a culpa não foi dos avaliados, mas dos decisores políticos.
Para além disto, o processo foi inteiramente concebido por técnicos do ME sem intervenção de especialistas com currículo reconhecido na matéria e sem qualquer discussão digna desse nome com as associações e sindicatos que representam os professores.
Depois, ignorou-se a realização de qualquer prática experimental que contribuísse para aferir os instrumentos e aperfeiçoar todo o processo.
Finalmente, matou-se a sua credibilidade, antes mesmo deste estar em prática, ao ter-se feito um concurso para titulares, cuja arbitrariedade técnica e ausência de escrúpulos éticos ao nível da concepção e da aplicação, o tornaram num aborto em que ninguém se revê, à excepção de quem o concebeu e de quem julga poder tirar algum partido da sua existência.
É por tudo isto que se chegou ao ponto em que estamos e, verdadeiramente, ninguém sabe como se há-de sair deste atasqueiro.
Perdoem-me a insistência, mas a única saída airosa era a substituição da equipa do ME por uma mais fresca e isenta de culpas neste cartório, capaz de ganhar a confiança da classe docente e de conseguir um entendimento com ela, sem vencedores nem vencidos, consensualizando uma solução transitória e fazendo caminho para pôr de pé um processo de avaliação mais consentâneo com as metodologias internacionalmente mais vulgarizadas e com a realidade das escolas portuguesas. E, claro, reformulando a questão dos titulares.
Pacificavam-se as escolas e o PS reconquistava uma parte do eleitorado que alienou, ou vai alienar, se este braço-de-ferro continuar.
Sinceramente, ninguém consegue fazer chegar esta mensagem ao Primeiro Ministro? A minha teoria é que ele anda enganado por assessores e pela equipa do ME, porque o homem é determinado (alguns dizem teimoso) e um bocado arrogante, mas não é parvo nem quer perder a maioria absoluta.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Obama - Um presidente global

O mundo contemporâneo é fertil em situações inusitadas que só a revolução científica e tecnológica permanente a que assistimos permite e justifica.
A posse de Obama é um acontecimento global e este já se transformou num ícone, à semelhança de uma estrela pop, de um desportista de topo, de uma princesa do jet set.
Por isso Barack Obama vai ser hoje empossado como o 1.º Presidente Global, e em todo o mundo homens e mulheres de todas as raças, credos e orientações se revêem nele como, provavelmente, se não revêem nos respectivos governantes.
Alguns dirão que ele lidera uma tribo global, sedenta de liderança e de energia transformadora. Os profetas da desgraça entoam ladaínhas sobre a incapacidade de Obama corresponder às expectativas criadas, por demasiado elevadas.
Seja como for, We can! é um hino à autoconfiança que, segundo Buda, é o maior tesouro de cada pessoa.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Por favor enterrem a avaliação

O direito à indignação concretizou-se mais uma vez na elevada taxa de adesão à greve. Pouco importa a guerra dos números, quando só os que não querem ver podem pretender esconder a realidade.
As escolas pararam, os putos gozaram o dia sem aulas de substituição e os pais tiveram mais uma dor de cabeça para resolver.
A greve soou como o gong para mais um round desta disputa que o ME e o Governo, ou o contrário, teimosamente mantém como se não houvesse escola para além da avaliação, como diria Jorge Sampaio.
Dos Açores chega a notícia de que o processo foi suspenso, ou tão simplificado que vai dar no mesmo. Na Madeira já Jardim resolvera dar Bom a todos os docentes. A miopia do ME está a tranformar uma coisa que devia ser séria numa autêntica ópera bufa, descredibilizando a própria matriz que um processo desta natureza pressupõe.
A avaliação do desempenho é um cadáver putrefacto que os professores, por misericórdia, devem enterrar rapidamente, juntando-lhe o concurso para titulares, única forma de se devolver à escola estatal portuguesa a dignidade perdida.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Dia D

Amanhã se saberá como vai evoluir a luta dos professores. A adesão à greve condiciona o futuro. Como alguém diz num mail que anda por aí a circular "quem não aderir à greve é porque já está morto". Assim mesmo, sem rodeios.
E como dos fracos não reza a História e os mortos não se revoltam, esperemos que a indignação seja mais forte que a desesperança.

A audácia da esperança

Tomo de empréstimo o título de um livro de Barack Obama, cuja leitura vivamente recomendo por ser um texto que nos ajuda a conhecer melhor o presidente eleito dos EUA e os eixos fundamentais do seu pensamento enquanto homem e político.
A partir do dia 20 o mundo vai ser diferente porque a Casa Branca passa a ser ocupada por um homem filho de mãe branca e de pai negro, que teve um padrasto indonésio e foi educado pelos avós brancos, se casou com uma negra culta e de forte personalidade, e cuja avó paterna ainda hoje vive numa aldeia do Quénia.
O Presidente Obama corporiza a esperança de todos os que acreditam num mundo melhor e protagoniza o exemplo de um rapaz pobre que chega a líder do mundo.

domingo, 11 de janeiro de 2009

O inferno em Gaza

Israel tem o direito de se defender, mas não de massacrar. A desproporção de meios e de mortos não deixa dúvidas e o combate ao terrorismo é uma questão política e não essencialmente militar.
Mas a realidade é que perante a apatia internacional fica para Israel a tarefa suja de exterminar o Hamas, peão dos interesses árabes fundamentalistas, que nem a liderança palestiniana respeita.
O que está em causa é a fronteira entre estados terroristas e terrorismo de estado, entre o pior fundamentalismo muçulmano e o modelo democrático de organização das sociedades, entre o martírio como forma de libertação e a paz como bem supremo da Humanidade.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Avaliação simplificada e gratificações de gestão

Jacques Monod escreveu, já há muitos anos, um livro brilhante sobre a evolução biológica intitulado "O acaso e a necessidade" que, em termos muito simples, procura demonstrar que foram o acaso, nuns casos, e a necessidade de adaptação às condições do meio, noutros, que determinaram a evolução das espécies.
Lembrei-me disto a apropósito da publicação simultânea, com data de 5 de Janeiro, dos decretos regulamentares que estabelecem, repectivamente, os princípios da avaliação simplificada e as gratificações de gestão dos novos directores.
Acaso ou necessidade?
É que nos entretantos da batalha que se avizinha, deixar uns milhares de candidatos a directores e subdirectores a pensar que podem vir a ganhar mais umas centenas de euros - de 600 a 750 para directores e de 310 a 400 para subs - é mais uma medida de acalmia no mar encapelado onde voga a educação.
Dir-se-á que os professores, ou alguns, não se deixam comprar. Mas não é disso que se trata, apenas de reconhecer que para ter bons gestores é preciso pagar-lhes melhor e as gratificações agora aprovadas constituem um bom incentivo. Nada que se compare à banca, é certo, mas...
O novo ano avizinha-se prenhe de desafios e como se diz nos casinos "os dados estão lançados...façam os vossos jogos".

Avaliar a avaliação

Numa perspectiva estritamente de cidadania vale a pena olhar para o conflito entre o ME e os professores e interrogarmo-nos sobre os seus resultados para o reforço da qualidade das escolas e das aprendizagens e a pergunta óbvia é se não teria sido mais eficaz o caminho do diálogo e da negociação desde o início.
Por muito que alguns não queiram ver e aceitar, o ambiente de aprendizagem degradou-se e as escolas estão hoje piores do que há um ano atrás. O ME e o Governo podem ganhar o braço-de-ferro com os professores - contra a força não há argumentos - mas os alunos e o país não ganham nada com isso.

Trinta dinheiros

Um partido Madeirense distribuiu trinta euros por idoso como forma de chamar a atenção para o facto de a Assembleia Regional ter aumentado as subvenções aos partidos políticos locais.
Foi uma forma original e útil de protesto e talvez nunca um partido tenha conseguido um impacto mediático tão grande e uma aprovação tão generalizada com um investimento tão pequeno.
A medida suscitou dúvidas constitucionais ao representante do PR na Madeira, mas não parece ter perturbado a boa consciência de quem lá manda. Nos tempos difíceis que se atravessam nada melhor para reforçar a confiança na classe política do que aumentar-lhe o soldo. A Madeira é um jardim e sabe-se como a manutenção fica cara.