domingo, 11 de janeiro de 2009

O inferno em Gaza

Israel tem o direito de se defender, mas não de massacrar. A desproporção de meios e de mortos não deixa dúvidas e o combate ao terrorismo é uma questão política e não essencialmente militar.
Mas a realidade é que perante a apatia internacional fica para Israel a tarefa suja de exterminar o Hamas, peão dos interesses árabes fundamentalistas, que nem a liderança palestiniana respeita.
O que está em causa é a fronteira entre estados terroristas e terrorismo de estado, entre o pior fundamentalismo muçulmano e o modelo democrático de organização das sociedades, entre o martírio como forma de libertação e a paz como bem supremo da Humanidade.