sábado, 14 de fevereiro de 2009

Liberdade para morrer

Nascer não é um acto de vontade, é um arbítrio. Ao contrário, morrer pode ser um arbítrio ou um acto de vontade, do próprio ou de terceiros. Apesar da controvérsia, é cada vez mais amplo o movimento para que se reconheça o direito a uma morte digna e desejada.
Um ser humano é corpo e espírito/consciência. O corpo é instrumental, a consciência substantiva. Há quem viva preso no corpo, mas um corpo, só por si, não é ninguém, é apenas uma coisa com nome.
Quando a consciência desaparece fica somente um corpo sem préstimo. Eluana Englaro foi exemplo disso. Negar o direito a uma morte que libertasse aquele corpo seria um acto de opressão e Deus nunca pode estar do lado dos opressores.