segunda-feira, 23 de março de 2009

O topo norte

O topo norte do estádio de Leiria é um monumento emblemático. Qual escultura modernista, interpela-nos acerca das virtudes e incapacidades do poder. Representa a euforia do EURO 2004 e o seu contrário, o despesismo e o endividamento numa obra majestática e subaproveitada.
Pensado para rentabilizar comercialmente o empreendimento, transformou-se no oposto, um destroço caro e improdutivo, um sumidouro de dinheiros públicos, uma evidência de incapacidade.
O cidadão olha e encolhe os ombros, como se não saísse do bolso de todos o pecúlio que ajuda a pagar o serviço da dívida, sem qualquer contrapartida. É o fado português no seu melhor.