domingo, 29 de março de 2009

O Papa e os dramas de África

A viagem de Bento XVI a África salda-se por muitos sucessos e por um perigoso equívoco. A defesa da paz, a emancipação das mulheres, a luta contra a discriminação, ficam a ecoar como palavras de esperança.
O mesmo se não poderá dizer da condenação do uso de preservativos. Conhecidos que são os princípios da Igreja Católica sobre a matéria, não se espera que o Papa os renegue. Mas insinuar que aqueles podem contribuir para o agravamento da epidemia, é ignorar o que a medicina comprova.
A castidade é preferível aos preservativos, mas perante as fraquezas da carne não se conhece melhor meio de defesa.

segunda-feira, 23 de março de 2009

O topo norte

O topo norte do estádio de Leiria é um monumento emblemático. Qual escultura modernista, interpela-nos acerca das virtudes e incapacidades do poder. Representa a euforia do EURO 2004 e o seu contrário, o despesismo e o endividamento numa obra majestática e subaproveitada.
Pensado para rentabilizar comercialmente o empreendimento, transformou-se no oposto, um destroço caro e improdutivo, um sumidouro de dinheiros públicos, uma evidência de incapacidade.
O cidadão olha e encolhe os ombros, como se não saísse do bolso de todos o pecúlio que ajuda a pagar o serviço da dívida, sem qualquer contrapartida. É o fado português no seu melhor.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Líderes e lideranças em escolas portuguesas. Trajectos individuais e impactos organizacionais.

Para os que se interessam pelo tema, deixo-vos o resumo da minha tese de doutoramento. Se alguém estiver interessado na versão integral, basta pedir-ma para: jmsilva@esecs.ipleiria.pt

RESUMO
Com esta investigação visa-se aprofundar o conhecimento sobre presidentes de conselhos executivos de escolas secundárias públicas estatais portuguesas, reconstituindo os seus trajectos pessoais e profissionais, caracterizando a forma como desempenham os seus cargos, identificando as suas características de liderança, avaliando os impactos organizacionais daí decorrentes e a influência que esta multiplicidades de factores exercem nos resultados globais dos alunos.

RESUMEN
Con esta investigación, nuestra intención es progresar en el conocimiento sobre los presidentes de los conselhos executivos de las escuelas secundarias públicas del Estado en Portugal, reconstituyendo sus trayectos personales y profesionales, caracterizando la manera de desempeñar sus funciones, identificando sus características de liderazgo, valorando los consiguientes impactos organizacionales y la influencia que esta multiplicidad de factores ejercen en los resultados globales de los alumnos.

SUMMARY
This investigation aims to further the knowledge about Executive Board Directors of Portuguese state secondary schools, reconstituting their personal and professional paths, characterizing the way they deal with their positions, identifying their leadership characteristics, evaluating the organizational impacts resulting from these factors and the influence that this multiplicity of factors has on students’ global results.

Palavras chave: Educação, administração da educação, gestão da educação, organizações, líderes, liderança.

sábado, 14 de março de 2009

Anonimatos

Manter o anonimato é um direito que assiste a qualquer cidadão, mas subscrever as opiniões que se defendem não escondendo a cara na sombra é um dever cívico que tolera muito poucas excepções.
Este blogue é um espaço de liberdade, não uma tribuna para anónimos.

O grau zero da política

A política é feita de discussão e de opções e é, precisamente, o facto de as pessoas poderem optar e sentirem que a sua escolha pode ser determinante que as motiva e torna participativas.
O contrário leva ao alheamento, à desmotivação e ao descrédito da política e da democracia, tendência inegável em Portugal, onde se estreita progressivamente o crédito da actividade cívica.
Agora virou moda tirar candidatos da cartola, como se de ilusionismo se tratasse, escolher de acordo com sondagens prévias e centralizar a escolha até dos candidatos locais. Aos eleitores resta apenas votar. Não será pouco?

Ser ou não ser...fundação

É o tema do momento no Instituto Politécnico de Leiria. Decorre um processo de esclarecimento/auscultação conduzido pelo Presidente, no final do qual este apresentará...,ou não, um pedido formal ao Conselho Geral para que se inicie o processo de negociação com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.O simples facto de o assunto estar a ser discutido significa que o IPL é um instituto de excepção. É que em matéria de poder aspirar a ser fundação, não é quem quer, mas quem pode, isto é, quem possui os requisitos necessários para se abalançar à negociação.O IPL tem sido pioneiro em muitas áreas, nomeadamente na formação dos seus docentes, tendo organizado o único programa colectivo de doutoramentos entre todas as instituições de ensino superior, que envolve quase quatro centenas de docentes.Já o está a ser também relativamente ao regime fundacional.

domingo, 8 de março de 2009

A mexicanização do sindicalismo docente

Falando um dia deste com um consultor internacional, que esteve em missão recente no México, dizia-me ele que o sindicato dos professores é a maior força de pressão do país, controla cerca de 10 milhões de votos, constituiu um partido político e é, verdadeiramente, quem controla a educação no país. Usando uma expressão forte "vende os votos a quem lhe assegurar mais regalias".
Lembrei-me disto a propósito do "cordão humano" e do aproximar das eleições. O fantasma da perturbação das actividades lectivas e avaliativas no terceiro período começa a inquietar os pais, mas não perturba menos os partidos ante a perspectiva de terem de lidar com a agitação escolar em vésperas de três actos eleitorais.
A estratégia dos sindicatos, ou da FENPROF (?), começa a ser perceptível, fazer sentir aos partidos que os votos dos professores podem ser decisivos para as suas aspirações. Quem prometer mais...

sexta-feira, 6 de março de 2009

Mulheres

Não é necessário ser profeta ou futurólogo para que se possa afirmar que o século XXI vai ficar marcado pela conquista definitiva da plena igualdade entre mulheres e homens, nas chamadas sociedades ocidentais.
Nas restantes continuará a existir uma acentuada diferenciação, ainda que em graus desiguais, pois a questão da igualdade de género assenta em conceitos não universais e que, manifestamente, não encontram suporte incontestado.
Às vezes há a tentação etnocêntrica de considerar o mundo à nossa imagem e semelhança, mas a realidade é muito mais rica e complexa do que se pretende. Talvez alguns acreditem numa cruzada, mas que não se tenham ilusões, os crentes são sempre menos do que os bárbaros.

domingo, 1 de março de 2009

Os pobres que paguem a crise

Quando a crise começou não se imaginava o cortejo de negociatas, manobras financeiras e fugas ao fisco, que respeitáveis banqueiros e gestores, gente do jet set, beneméritos e comendadores tramavam para engordar as respectivas contas bancárias e fazerem de parvo quem trabalha e tem os impostos em dia.
De repente o mundo revelou-se como um enorme casino e descobriu-se uma vulgar bandidagem disfarçada de elite, que ao roubo por esticão prefere meios mais sofisticados e eficientes.
Não surpreende, pois, que sejam os mais pobres a pagarem a crise, a irem para a rua e a serem espoliados dos empregos. Responsabilidade social das empresas, o que é isso?