segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

3 anos

Dia 22 de Dezembro de 2006, colocámos o primeiro post. Passaram três anos e muitas coisas aconteceram desde então. Com muitos ou poucos posts, consoante a disponibilidade e a inspiração de cada momento, tenho procurado cumprir o que me propuz, participar no debate global que as novas ferramentas permitem.
Este espaço tem sido, e continuará a ser, um ponto de vista livre numa conversa em que participa quem quer. E apenas isto.

Professores, os suspeitos do costume

Há um hábito, relativamente recente na educação portuguesa, a fazer escola - culpar os professores por tudo quanto de menos positivo acontece nas escolas.
Os alunos são desmotivados, a culpa é dos professores; têm maus resultados, a culpa é dos professores; comportam-se de forma incorrecta, a culpa é dos professores. E por aí fora...
Os professores têm as costas largas e todos aproveitam, até os "especialistas", que falam de cátedra, alguns dos quais sem nunca terem posto os pés numa sala de aula do básico ou do secundário.
Agora, alguns, descobriram que são os professores os culpados por não conseguirem "negociar" com os alunos a forma destes se comportarem nas aulas. Falta de formação, dizem.
Mas esperem lá, é aos alunos que compete acatar e cumprir as regras ou aos professores, quais negociadores policiais, convencerem-nos a não os insultar ou agredir?
Evidentemente que a conflitualidade está latente nas relações interpessoais, que não deixa de ser verdade que se pode aprender sempre mais a lidar com isso e a limitar, em vez de acirrar, episódios de mau comportamento, mas é fundamental que não se "tome a nuvem por Juno".
A mensagem indispensável que deve ser passada pela família, pela sociedade e pela escola, aos alunos, é a de que há regras para cumprir e penalidades para quem as infringir. Assumido este princípio, tudo o mais pode ser equacionado, mas colocar o ónus do mau comportamento dos alunos sobre os ombros dos professores é ignorância, demagogia ou má fé.

Renascer com o Natal

Comemorar o Natal tem múltiplos significados, tantos quantos cada um lhe quer dar. Da tradição religiosa à loucura consumista, há para todos os gostos, embora o sentido de festa de família permaneça como marca indelével.
Indiscutível é o facto de a celebração estar associada ao nascimento, ao mistério da vida, que a ciência descodifica, mas não explica.
A essência do Natal, que procede de muito antes do nascimento de Cristo, é isso mesmo, um hino à vida, uma expressão de louvor pelo nascimento de um novo ser, um momento de celebração colectiva pela renovação das gerações, sem a qual as comunidades estiolam e definham. Em cada Natal, é o futuro que renasce.

Participar é decidir

Desde há cerca de vinte anos que uma inovadora figura de gestão municipal se vem impondo como símbolo de uma nova relação entre eleitores e eleitos, refiro-me aos chamados orçamentos participativos.
No essencial, trata-se de chamar os munícipes à participação na elaboração dos orçamentos municipais, dando-lhe a possibilidade de sugerirem as formas de afectação de algumas verbas que mais estejam de acordo com os seus desejos.
Embora limitada a uma parte do orçamento, esta prática não deixa de constituir um acto de cidadania responsável e de abertura a formas de gestão mais participadas e que a internet potencia. Em Portugal cerca de 20 autarquias já aderiram à ideia, Lisboa incluída. Leiria bem pode seguir-lhes o exemplo.

Planeta em perigo

Pela primeira vez na história da Humanidade, como consequência da industrialização, está ameaçado o equilíbrio do próprio planeta Terra e as alterações climáticas afectam, crescentemente, o equilíbrio ecológico, com consequências imprevisíveis.
O que está em causa é o modelo de desenvolvimento pós-industrial e as suas nefastas sequelas, e a necessidade, imperiosa, de agir no sentido de encontrar novos formas de organização das sociedades, utilizando energias limpas e adoptando formas de produção não poluentes.
Portugal é, nesta matéria, um bom exemplo, e chega à cimeira de Copenhaga na linha da frente, graças à prioridade concedida à utilização das energias renováveis e ao compromisso com a utilização de uma nova geração de automóveis menos poluentes.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Grito de alerta

Ontem estive em Torres Novas a participar num debate organizado pela Associação CIVILIS e pela Escola Secundária Maria Lamas, a primeira escola onde leccionei. O tema era Escola/Estratégia e modelos educativos, e participaram também o ex-Ministro da Educação, David Justino e a ex-deputada do PCP, Luísa Mesquita.
Foi interessante, e durante o debate, um colega que estava na assistência, fez uma intervenção muito tocante sobre questões que se colocam quotidianamente nas escolas, nomeadamente as decorrentes de algum mau comportamento de certos alunos, tendo sintetizado muito bem a situação, ao afirmar: “Há indisciplina na escola porque não há condições para impor regras”.
Naturalmente, que nem todos estarão de acordo em colocar a questão assim, pois a indisciplina nas escolas é um fenómeno com raízes múltiplas e profundas, mas esta é uma forma acutilante e, a meu ver, legítima de olhar para o problema.
É um facto que se instalou uma surpreendente tolerância relativamente a situações de indisciplina e de incumprimento por parte de alunos, como se tudo fosse aceitável e não houvesse regras a cumprir, algumas delas universais, como seja o respeito pelo próximo.
Os professores acabam por ser o elo mais fraco e são eles que têm de lidar todos os dias com alunos que não os respeitam e, muitas vezes, os insultam, sem que sofram quaisquer consequências de vulto.
Na sequência da minha intervenção final, o colega, cujo nome não divulgo por razões óbvias, escreveu-me um e-mail que reproduzo, parcialmente, por me parecer útil partilhá-lo.

Caro Dr. José Manuel Silva,

… o que disse no final do debate da primeira conferência desta tarde corresponde ao que eu diria se tivesse tido necessidade de dizer. Apreciei a sua frontalidade e agradeço-lhe a solidariedade.

Os políticos «correctos» não suportam o discurso da manifestação da realidade das escolas. E, o que é mais grave, como tenho testemunhado e voltei a fazê-lo hoje, é que a grande maioria dos professores tem medo de contar o que vive e de dizer o que sente. Porque, se o faz, os políticos «correctos» reagem corporativamente e acusam-nos das coisas mais abjectas. Muitas vezes, incapazes de esconder o incómodo com as questões levantadas, nem sequer são delicados.

Entretanto, a Escola pública continua a degradar-se. Cada vez mais rapaziada, que não conhece regras nem quer fazer coisa nenhuma, vai tomando conta da Escola: domina o território, estabelece as suas próprias «normas», assume de facto o poder. Os alunos interessados não têm condições para aprender. Os professores mais novos, lamentando não ter mão nas turmas, saem das aulas a chorar. Os mais velhos, pelo seu lado, fazem contas aos euros e ao tempo que ainda lhes falta para a reforma antecipada e libertadora.

Um feriado sem significado

Escrevo no dia 1.º de Dezembro e apercebo-me de que o seu significado é largamente desconhecido pelos mais jovens. Para além da ignorância que fica patente, é inevitável pensar que parar um país quando muitos dos seus habitantes desconhecem a razão, dá que pensar.
É claro que a restauração da independência, pode aparecer hoje como um facto anacrónico a muitos que se habituaram a um relacionamento próximo com Espanha, a uma integração crescente das duas economias e a um sentido de pertença à Ibéria, impensável em tempos anteriores.
Mas os feriados não podem ser simples dias de descanso, devem ser momentos de reflexão sobre acontecimentos transcendentes que contribuem para a coesão dos povos.

Uma aventura no Ministério da Educação

Depois de uma ministra socióloga, que sonhou construir uma escola à medida dos seus desígnios, temos uma ministra escritora que bem pode dar à estampa mais uma aventura, desta vez no Ministério da Educação.
O enredo já está delineado e a avaliação dos professores vai ser o centro da acção. O suspense está no ar. Suspende? Não suspende. Mas mesmo sem suspender, suspende. Confuso? Não, é apenas a poeira atirada aos olhos dos que teimam em mantê-los abertos.
A saga da carreira e da avaliação ainda está para durar, e até parece que estes são os temas centrais da política educativa. Entretanto, os professores vão ardendo em lume brando.

Famílias e Casamentos

O tema do casamento entre pessoas do mesmo sexo é o primeiro grande embate, na actual legislatura, entre duas concepções diferentes de organização da vida social.
De um lado, a esmagadora maioria dos deputados do PS, o Bloco, o PCP e os Verdes. Do outro, quase todos os deputados do PSD e o CDS. Subjacente está a questão, ainda mais fracturante, da adopção de crianças por parte de casais unisexo.
Independentemente dos argumentos, o que está em causa é o facto de a família, tal como o casamento, se terem pluralizado, deixado de ter formato único. Hoje há famílias, há casamentos, pelo que o singular não expressa a realidade social. As sociedades estão em profunda mudança; é a marcha da História, e nada a deterá.

A face oculta da justiça

No Império Romano apaziguava-se a tensão social com “pão e circo”. Agora, os processos judiciais envolvendo gente dos negócios e da política, transformados em reality shows, fazem papel idêntico.
A cereja no topo do bolo é haver a possibilidade de envolver o Primeiro-ministro, pelo que nunca falta um primo, um amigo ou um correligionário político indiciado e chamado a depor.
A descredibilização das instituições vai corroendo a vida social e o sistema político e a corrupção, que parece imperar na sociedade, aninha-se também na polícia e nos tribunais, onde não há processo em segredo de justiça que não se torne alimento das fogueiras das vaidades mediáticas.

Novo capítulo

Como nada acontece por acaso, o PS ganhou as eleições em Leiria em resultado de uma conjugação virtuosa de factores nunca antes ocorrida. A dissidência no CDS não compensou e a autoflagelação do PSD ditou a sua derrota. Raul Castro tornou-se um homem providencial.
O futuro será o que for, mas o novo poder tem o dever de conseguir fazer mais e melhor do que no passado se fez, envolver os cidadãos nas grandes decisões, disciplinar contas e procedimentos, refazer a esperança e afirmar a liderança de Leiria como pólo de desenvolvimento regional.
Quebrado o tabu, nada será como dantes.