sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

À mesa do orçamento

Em tempo de discussão do orçamento do Estado, tudo parece ficar mais negro.
Com um défice excessivo, o desemprego a aumentar e a economia a patinar, pouco mais resta do que a fé para acreditar num Portugal melhor.
E se o orçamento é importante. Mais de seis milhões de portugueses sobrevivem à sua custa, todos quantos asseguram o funcionamento do Estado, os pensionistas e reformados, os beneficiários do RSI e outros, que também vão petiscando.
Este talvez seja o maior problema estrutural do país, um Estado demasiado forte e uma sociedade civil tão débil que não vive sem o apoio daquele. Um verdadeiro ciclo vicioso a que a mesa do orçamento já não consegue matar a fome.