sábado, 13 de fevereiro de 2010

Um país à escuta

Novas revelações, obtidas em escutas telefónicas, voltaram a pôr em causa a seriedade de algumas personalidades dos círculos do poder.
As escutas foram declaradas ilegais, mas quem se importa? A Justiça deixa-se violar e a comunicação social substitui-a no julgamento popular. Os visados podem não ser incriminados, mas nada anula o que supostamente disseram e a imagem, negativa, que fica.
As escutas divulgadas puseram a descoberto coisas que nada consegue apagar. Para a Justiça, os cidadãos em causa podem ser impolutos, para a Opinião Pública já foram condenados. Para o PM é mais uma estação da Via Sacra.