domingo, 21 de março de 2010

Escolas assassinas

Em Mirandela um aluno lança-se ao rio, alegadamente farto dos maus tratos que alguns colegas lhe infligiam. Em Sintra um professor faz o mesmo, justificando o seu acto desesperado por não aguentar mais as humilhações a que os alunos o sujeitavam.
É certo que as situações não são generalizáveis, que o suicídio é um fenómeno complexo, que cada aluno e cada professor é uma personalidade singular e que cada escola é um microcosmo único.
Mas as escolas têm de ser sopros de vida, não antecâmaras de mortes evitáveis. Em ambos os casos nada nem ninguém foi capaz de antecipar o desfecho trágico, muito menos fazer algo para o evitar, e isto é que é incompreensível e inaceitável.