sexta-feira, 16 de abril de 2010

A falácia do Estado Mínimo

Cavaco Silva chamou-lhe o “monstro”, alguns querem-no mínimo, mas os portugueses apreciam o seu manto protector.
É que a imagem tradicional do Estado – uma miríade de funcionários públicos incompetentes e improdutivos – não passa de um embuste. O Estado é o conjunto dos serviços sem os quais os portugueses não poderiam viver, da saúde à educação, da justiça à segurança, do ambiente à economia, das obras públicas ao desporto.
O Estado Mínimo corresponde à degradação dos serviços públicos, não a maior racionalidade. Que é preciso ganhar eficiência e melhor capacidade de gestão, é um facto. Mas a qualidade não se compagina com a demagogia minimalista.