quinta-feira, 13 de maio de 2010

Reinventar o futuro

As agências internacionais insistem em dar má classificação à economia portuguesa, alguns não desistem de nos acenar com o fantasma da bancarrota, a bolsa dá trambolhões históricos, as condições de vida dos portugueses agravam-se, os conflitos sociais crescem em flecha e o sector dos transportes ameaça paralisar o país.
Vivemos sobre um barril de pólvora pronto a explodir, só falta saber quem acende o rastilho ou se o bom senso e a capacidade de colocar os interesses colectivos do país acima dos interesses particulares e de classe se conseguem sobrepor à inconsciência do quanto pior melhor.
“As portas que Abril abriu” parecem fechar-se cada vez mais. É tempo de reinventar o futuro.