quinta-feira, 13 de maio de 2010

União Nacional

Eu sei que esta expressão evoca outros tempos, mas há momentos na vida dos povos em que velhas palavras devem ganhar novos sentidos. A crise com que o país se debate, meio importada, meio provocada por delírios internos, teria uma resposta muito mais consistente se o país político se unisse ao resto do país numa verdadeira união nacional de vontades, de expectativas, de práticas e de resultados.
Entendamo-nos! Dirão muitos, num mínimo denominador comum, capaz de fazer o país tomar fôlego para se lançar na recuperação e evitar o sufoco do permanente “credo na boca” em que vivemos.
Se não formos nós a fazer o que tem de ser feito, alguém o fará por nós, e será sempre pior.