quinta-feira, 12 de agosto de 2010

A capela das Chãs

Para quem descrê em milagres, aqui está mais um, bem presente, vivo e mobilizador. Enquanto o camartelo ameaça a capela, eis que vozes se levantam e um movimento se constitui para a salvar. É povo contra povo; o povo que fez a igreja e o povo que quer a capela, o povo que pagou e o povo que quer ter uma palavra a dizer.
Todos têm razão e ninguém se entende. A destruição de património é sempre lamentável, mas a capela não está classificada e quando se licenciou a construção da igreja já se sabia o destino previsível daquela.
A causa é nobre, mobilizadora, mediática e politicamente danosa, mas a decisão é simples – cumpra-se a lei.