domingo, 22 de agosto de 2010

Mudança de layout

Como tudo é feito de mudança...adoptamos um novo layout para refrescar a imagem do blogue.

As histórias exemplares de Josefa e Laura

Josefa era portuguesa, estudante universitária, empregada de supermercado e bombeira. Laura é holandesa, tem 14 anos e vai dar a volta ao mundo, sozinha, num veleiro.
Não se conheciam e apenas o facto de a primeira ter morrido carbonizada, quando combatia um fogo, no momento em que a segunda chegava a Portugal para iniciar a sua aventura, justifica que se encontrem neste texto.
Os seus mundos são muito diferentes, mas as suas histórias de vida, cada uma à sua maneira, são exemplos de tenacidade e determinação. Josefa, estudava, trabalhava e servia os outros. Laura aventura-se a desafiar o destino e, quase menina ainda, arrisca-se num empreendimento que exige conhecimento e experiência. A glória fácil não passa de uma ilusão.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Natureza enfurecida

A explosão da plataforma petrolífera da BP, os incêndios na Rússia e as cheias no Paquistão são catástrofes cuja dimensão impressiona pelas suas consequências imediatas e pelos prováveis impactos negativos a médio e longo prazo.
Embora diferentes nas suas causas, a primeira decorrente de falhas do sistema de controlo, as outras duas de circunstâncias naturais, as suas consequências são similares no sentido de se transformarem em agressões profundas ao equilíbrio ambiental e afetarem gravemente as condições de vida de milhões de pessoas.
Resta a esperança que sirvam como oportunidades para sublinhar a necessidade de maior respeito pela natureza e para reforçar as medidas que se impõem na sua defesa.

Este país que nós temos

Eu sei que é tempo de férias, mas o país não para. O Governo não conseguiu ainda aplicar portagens nas SCUT, porque o PSD não permitiu, mas o agravamento das condições dos apoios sociais, que vão tornar ainda mais difícil a vida aos cidadãos mais desfavorecidos, entraram pontualmente em vigor no dia 1.
O processo Freeport parecia ter terminado. Eis senão quando se soube que ficaram por fazer 27 perguntas ao PM, por falta de tempo. A sentença do processo Casa Pia foi mais uma vez adiada e um dos arguidos defende-se num blogue dos crimes que lhe imputam no tribunal.
A Ministra da Educação veio defender o fim dos chumbos e um clamor de protestos saudou a medida, sem que se cuidasse de averiguar os fundamentos da proposta. É este o país que temos. Nem as férias…para esquecer.

Escolas de nova geração

As escolas secundárias requalificadas começam a mostrar-se em toda a sua nova dimensão. As opções e o montante dos investimentos são objeto de controvérsia, mas é indiscutível que se está perante escolas de nova geração, onde ensinar e aprender requer outros espaços, outra qualidade estética, outros equipamentos, novas formas de interagir com os espaços e até de relacionamento entre os atores que os usufruem.
As velhas/novas escolas ficam ao nível do que de melhor existe no mundo, e se os espaços não são tudo, são um grande contributo para a melhoria do trabalho pedagógico que ali se pode/deve realizar e que os investigadores devem tomar como objeto de estudo.

As areias movediças

Guterres foi-se embora por causa do “pântano”, mas agora parece estarmos atolados em areias movediças. Quanto mais se esbraceja mais nos afundamos. É o Estado da Nação, exangue às mãos do desnorte político e da crise económica.
É certo que a legitimidade democrática não está em causa e que o Governo vai governando, mas a rédea curta da minoria não o deixa ir longe. O bloqueio é evidente e o cheiro da carniça aguça o apetite dos abutres.
A crise política paira sobre o país e a dúvida reside apenas em saber quem se decide a lançar o sprint final. Entretanto, o país continua a empobrecer e a maioria dos portugueses a desesperarem.

Ainda e sempre o Centro Histórico de Leiria

Castro fez uma incursão noturna ao centro histórico guiado por alguns moradores. Nada de novo, queixas antigas. Os executivos passam e o cancro continua.
A preservação dos centros históricos é um assunto clássico, as experiências são múltiplas, boas e más, mas o essencial está adquirido, os problemas equacionados, as soluções diversas. Então o que tem faltado? Vontade política, liderança e capacidade de realização.
Quando uma área da cidade está a desagregar-se há que tomar medidas urgentes e drásticas. A recuperação do CH exige uma ação concertada e multidisciplinar, um modelo de financiamento arrojado e mão firme na concretização das medidas que a viabilizem. Será desta?

Nota: A grafia deste texto está em conformidade com o novo acordo ortográfico.

Perguntem ao Queirós!

Foi com esta frase assassina que o CR respondeu quando o interrogaram sobre a derrota da Selecção Portuguesa. E fez bem. O mister que explique, que é para isso que lhe pagam um vencimento que não justifica.
Faltaram-nos argumentos para ganharmos à Espanha. E por que é que havia de ser diferente? É verdade que a sorte protege os audazes, quando há audácia. De resto, a nossa pequenez não é só de mercado, é de escala e a todos os níveis.
Queirós não se demite, e faz bem, espera que o demitam, é muito mais lucrativo. De certeza que a frase do sargentão não lhe sai da cabeça, “E o burro sou eu?”.

A demagogia ao serviço da bancarrota

Copio do dicionário; “A demagogia traduz-se num discurso ou acção que visa manipular as paixões e os sentimentos do eleitorado para a conquista fácil do poder político”.
Todos os dias a política se enfeita de demagogia. O país está de rastos, quase à beira de uma catástrofe financeira, mas alguns dos nossos líderes políticos preferem os jogos florentinos de política pura, em vez de se preocuparem com os verdadeiros interesses do país.
O que se tem passado com as portagens nas SCUT e com o já famoso chip, que as permite cobrar de forma simples e barata, é o último exemplo de como a demagogia não conhece limites e se está nas tintas para as dificuldades do país.

A capela das Chãs

Para quem descrê em milagres, aqui está mais um, bem presente, vivo e mobilizador. Enquanto o camartelo ameaça a capela, eis que vozes se levantam e um movimento se constitui para a salvar. É povo contra povo; o povo que fez a igreja e o povo que quer a capela, o povo que pagou e o povo que quer ter uma palavra a dizer.
Todos têm razão e ninguém se entende. A destruição de património é sempre lamentável, mas a capela não está classificada e quando se licenciou a construção da igreja já se sabia o destino previsível daquela.
A causa é nobre, mobilizadora, mediática e politicamente danosa, mas a decisão é simples – cumpra-se a lei.

A galáxia do futebol

Por estes dias, entre os Santos Populares e o Campeonato do Mundo de Futebol, o país tenta esquecer a crise, o desemprego, o aumento de impostos, as ameaças de recurso ao FMI, enfim, tudo aquilo que transformou em pesadelo o que já não era um sonho cor-de-rosa.
A vuvuzela é o melhor símbolo de um tempo em que importa mais o ruído do que o silêncio, as emoções mais do que a razão, o prazer do efémero mais do que a conquista do futuro.
Os craques da bola e a indústria do futebol abrem o parêntesis possível nestes dias de chumbo, Ronaldo subiu ao Olimpo ao contracenar com Mr. Simpson e os portugueses sonham em Inglês com uma vitória que resgate a bandeira esquecida e o tesouro arruinado.

Às vezes os erros pagam-se

Os gestores de topo da Toyota devolveram uma percentagem das remunerações recebidas em 2009 por a empresa não ter atingido os objectivos previstos.
A ideia parece simples e justa mas, infelizmente, muito pouco praticada. A regra é despedir os trabalhadores quando os gestores incompetentes deixam afundar as empresas e, incapazes de se auto responsabilizarem, descarregam o peso da sua ineficiência sobre o elo mais fraco.
A prática da Toyota pode não passar de um gesto simbólico, mas não deixa de ser uma séria chamada de atenção para quantos se esquecem que a ética da responsabilidade deve estar na primeira linha de preocupações de qualquer gestor ou dirigente. Pode ser que o exemplo vingue.