quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Os swaps e o lixo cívico

O folhetim dos swaps continua. Um secretário de estado já caiu e a ministra vai ardendo em lume brando. Este assunto ilustra o pior que a política portuguesa tem para oferecer, intriga, incompetência, pulhice e vacuidade.
O país debate-se com uma crise profundíssima, invoca-se a necessidade de um consenso nacional para resolver o problema e o que fazem os agentes políticos de topo, envolvem-se numa disputa sobre um assunto eminentemente técnico, transformam-no em arma de arremesso político com a conivência da comunicação social e, para que o ramalhete fique completo, a Procuradoria Geral da República abre um inquérito sobre um suposto documento forjado.
O cidadão comum, o pagador de impostos, as famílias que dia a dia lutam para criar os filhos, os pensionistas quase já sem reformas, enfim, os que constituem a base da sociedade portuguesa, interrogam-se e como o alentejano da anedota perguntam se "estes gajos andam a mangar connosco?".
Há momentos em que tenho vergonha do espetáculo deplorável em que se transformou a alta (?)política portuguesa. Será que não acordamos, será que estamos condenados a conviver eternamente com este lixo cívico? Eu não me resigno. Você faça o mesmo.